FORA BOLSONARO, O VIRUS QUE ESTÁ MATANDO O BRASIL

12 de set. de 2015

LIBERDADE.












Estou tentando escrever sobre a liberdade. Nunca vi um tema tão fascinante e complicado. 
Ela não é democrática. 
Não é igual. 
É severa. 
Amena. 
Justa. 
Injusta. 
Cada pessoa molda sua liberdade de acordo com suas circunstancias e necessidades. 
Psicológicas 
Financeiras 
Religiosas. 
Políticas. 
E saltam em voos altos e rasantes, longos ou curtos. 
Ou se prendem com correntes de verdade, ou imaginárias. 
Muitos tornam-se escravos. 
Outros se rebelam e a buscam de todas as formas. 
Não existe meio termo: É escravo ou não, é livre ou não. 
Ninguém é meio livre, e nem meio escravo. 
Ninguém é mais ou menos livre, ou mais ou menos escravo. 
Quantas pessoas são escravas do dinheiro quando ele é escasso, ou quando sobra demais? Quantas se vendem, se corrompem, e se deixam serem usadas por outras pessoas que se acham reis e rainhas de impérios construídos com a mentira? Nós prisioneiros do sistema político financeiro somos obrigados a pagarmos altíssimos impostos em tudo que consumimos. E em uma maldita contrapartida ainda nos é tirado o direito à saúde, educação e laser. Enquanto isso a grande maioria dos fazedores de leis têm todas as liberdades que elas lhes permitem, direito à moradia, verba disto e daquilo, voam livremente de um lado para outro, não trabalham, e seus salários são uma afronta ao verdadeiro trabalhador que produz a riqueza do país, e que não tem sequer a liberdade de escolher o que quer e tem vontade de comer.
Quantas pessoas são escravas do salário, ou da falta dele? Só quem é assalariado sabe que muitas vezes é preciso abrir mão da liberdade para manter-se no emprego. Estes são os prisioneiros do sistema capitalista selvagem que visando apenas o lucro constroem impérios onde os vassalos são apenas ferramentas de trabalho.
Ah! Quantos escravos torturam-se por causa de um cartão de crédito, e atendendo ao apelo do consumismo exagerado saem comprando coisas sem necessidades, ou que poderiam ficarem para mais tarde.  
E os escravos das religiões? Milhões de pessoas escutam cegamente os falsos pastores que dizem falarem em nome de Deus de mentira. Seguem o pregador como se ele fosse o próprio Deus encarnado. Esses escravos sofrem uma lavagem cerebral que os levam a comprarem milagres mentirosos que são encenados por pessoas e pregadores que não acreditam em Deus.
 Porque se acreditassem com certeza não agiriam como os vendilhões do templo que foram expulsos por Cristo.  
E os escravos dos relacionamentos mal resolvidos? Aqui o ciúme e a falta de sensibilidade aprisionam sonhos, reprimem atos e atitudes, dita moda e comportamento, e as pessoas morrem e matam por motivos banais. São os escravos do coração, ou vamos dizer, do amor? Sonham todos os dias com a liberdade de amarem e serem amados para compartilharem sonhos e ideais que quebrem os grilhões desta escravidão.
Existem os prisioneiros de verdade, aqueles que estão encarcerados em celas imundas e superlotadas, tratados como bicho e lixo por carrascos, que a troco de um salário ou por se sentirem superiores, cumprem religiosamente a ordem do Senhorio: transformar a vida desses infelizes em dois infernos: O da grade que aprisiona o corpo, e o da brutalidade  física e psicológica que engessa sonhos, mata ilusões, e transformam seres humanos em bichos de verdade. 
Tem o prisioneiro da saudade, que se consome aos poucos deixando seus pensamentos presos no passado, não importando se foram bons ou ruins. Os prisioneiros da falta de amor e carinho jogados em asilos, ou abandonados pelas ruas onde são mais escravos e tem menos liberdade que um cão sarnento que pode correr livre de um lado para outro. 
Os prisioneiros das drogas, do jogo, do sexo, e de tantas outras prisões, que trocam suas vidas por uma picada, uma trepada, uma cheirada, ou um porre, fazendo das drogas sua vida, e da sua vida uma droga. 
Liberdade. 
Palavra bonita. 
Difícil de ser conquistada. 
Mas... 
Quando alcançada, a vida ganha novo colorido, o sol aquece com mais ternura, a chuva cai mansinha sobre os cabelos, e o vento sopra com mansidão fazendo a brisa acariciar o rosto. 
O frio não castiga, pelo contrário, instiga momentos de aconchego. O dia é mais bonito, as pessoas são enxergadas como imagem e semelhança.de Deus que é liberdade e paz para quem acredita, ou não.  A noite com a lua e as estrelas, ou sem elas, é um convite para o amor. 
O coração se aquieta, e a alma se acalma. 
Liberdade é paz. 
E a vida só tem sentido se essas duas andam de mãos dadas. 


2 comentários:

  1. Olá, estimado Geraldo!

    Seu texto é mega abrangente. Parabéns!

    Liberdade é um conceito mto amplo e mto restrito, ao mesmo tempo.

    Quantos se sentem livres, estando acorrentados a dependências, seja de k género for?

    LIBERDADE É CONSCIENCIALIZAÇÃO.

    Abraço, com carinho!

    ResponderExcluir
  2. As frases de Mandela são pura, puríssima verdade.

    Abraço de luz e bem.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade