BETIM, UM PARAÍSO SENDO DESTRUÍDO

08 setembro, 2015

VIVA O LUXO



NÓS SUPORTARÍAMOS VIVER ASSIM?

SEM COMENTÁRIO.















Estou tomando café em um dos mais tradicionais shoppings da cidade de Belo Horizonte, onde me refugiei do frio enquanto espero uma carona que me levará  de volta para casa depois de mais um dia de trabalho. 
Sinto-me como um peixe fora d´água porque nunca gostei de frequentar esses locais. 
Lá fora um vento de junho sopra forte trazendo as agruras do inverno para quem mora na rua. 
Observo o luxo das lojas de departamentos com suas geladeiras que mais parecem um guarda-roupa, e seus televisores de plasma parecendo cinemas.
O luxo está estampado em cada detalhe do recinto. 
A maioria dos frequentadores também ostentam luxo.
De verdade.
Ou de mentira. 
Aqui dentro parece que ninguém sofre ou passa por qualquer tipo de problema. 
Uns de verdade. 
Outros na aparência. 
Parece que todos ao transporem a porta automática deixam seus problemas do lado de fora. 
Que muita gente merece e pode viver no luxo, não resta a menor dúvida. 
Que ninguém, mas ninguém mesmo nunca deveria viver do lixo e no lixo também não resta a menor sombra de dúvida. 
O que não se pode conceber são os falsos ricos frequentarem lugares luxuosos enquanto as dividas acumulam nos cartões de crédito.
O que não pode ser considerado natural é uma pessoa pobre se fingir rico e negar suas raízes levando uma vida de aparências.
O que não se pode conceber é pessoas ricas acharem que o mundo se restringe a este espaço, e que o dinheiro é a única mola que os movem, esquecendo que a vida só tem sentido quando compartilhada, e que cada pessoa precisa dar sua parcela de contribuição na construção de uma vida mais digna onde a sobrevivência de todos e todas, e do planeta, sejam garantidas. 
Somos consumistas! 
E sabendo disto as agências de propaganda se esmeram na arte do convencimento.
Um exemplo claro desse consumismo exacerbado é o famigerado celular que pode ser visto na mão de qualquer criança que fica horas com eles nas mãos para que pais irresponsáveis possam ficar mais relaxados.   
Espero que um dia as pessoas tenham consciência do luxo e do lixo, e cada um viva sua vida dentro dos padrões do bom senso e da responsabilidade.
Que venha o luxo na medida certa das posses financeiras, e que o lixo nunca seja a meta e o destino de um ser humano. 
Espero que a pessoa pobre possa entender que um assalariado não pode dar-se ao luxo de comprar e usar nada de grife famosa.
Uma coisa é certa, nem sempre o luxo precisa ser com o preço alto, o chique é sentir-se bem sem ter que se preocupar com o que os outros pensam ou usam, ou dizem.
Vou usar aquilo que me deixa feliz!
Espero que cada pessoa ao escolher o tipo de vida que deseja, lembre-se que devemos querer para o outro aquilo que queremos para nós. 
E contribuir. 
Na construção de uma sociedade mais justa, humana e fraterna, e que a esmola seja coisa do passado e substituída pela partilha. 
E viva o luxo.
E que o lixo seja corretamente descartado para não se misturar com as pessoas.



Um comentário:

  1. Geraldo, meu querido!

    A imagem de cima e a de baixo falam por si mesmas.
    Seu texto, como sempre, é um "luxo", em matéria de verdades.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade