29 de mar. de 2019

PRISIONEIRO DO PENSAMENTO







Ah! minha doce amada
Me perdoe por não estar encontrando as palavras
Que antes brotavam da minha alma
Eram ditadas pelo coração
E saiam da minha boca em forma de canção

Ah! minha querida amante
Perdoe-me se meu pensamento
Está deixando se contaminar
Pelas reviravoltas deste mundo globalizado
Onde uma minoria acumula riquezas
E a grande maioria sofre colhendo tristezas

Ah! minha eterna companheira
Perdoe-me as vezes que esqueci
o quanto é maravilhoso ser livre e viver
Mas impotente, tornei-me prisioneiro dos meus pensamentos
Que entristeceram meu coração e fizeram você sofrer

Ah! minha eterna namorada
Mostra-me de novo a alegria de viver
Quero sentir novamente o encantamento
De entregar-me a você na doce loucura do prazer





Um comentário:

  1. Oi, Geraldo!

    Tão lindo seu poema! Que bonita declaração a sua amada mulher, companheira de muitos anos.
    O mundo e seus problemas nos impedem de ter imaginação e de darmos todo o nosso afeto a quem tanto amamos. Entendo, perfeitamente, mas sei que vosso amor é grande, certo e leal.

    Beijos para ambos.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade