1 de mar. de 2011

PLACA MÃE NÃO GERA FILHOS


Resultado de imagem para crianças no computador                                                                                 Resultado de imagem para crianças no computador

   
COMO EDUCAR SEUS FILHOS? A ESCOLHA SÃO DOS PAIS.

Este texto foi fruto de uma discussão entre pai (eu) e filho às 03:Hs da manhã, simplesmente porque meu filho não queria desligar o computador. 



PLACA MÃE NÃO GERA FILHOS

Já faz alguns anos foi lançado o filme “O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON”, em que o autor retrata a história do nascimento ao inverso, onde a pessoa nasce adulta e vai regredindo até morrer. Não vi o filme, e pelo que ouvi acho que não gostaria, seria grotesco demais.
Estamos na era da eletrônica e da alta tecnologia, robôs já fazem serviços domésticos e cachorros de lata vigiam as casas.
Uma das primícias do ser humano é envelhecer. Os jovens ainda não entenderam isto.
As geringonças eletrônicas não envelhecem, rapidamente ficam obsoletas e logo são substituídas por outras mais modernas. A tecnologia avança a passos largos, é mutante, muitas vezes, deixando para trás sentimentos de amor e de ternura. Houve tempos em que o pai era chamado de “esteio da casa”, para os mais jovens; esteio é a peça principal que sustenta um telhado
Hoje os filhos entendem muito de disco rígido que armazena as informações que cada um acha do seu agrado. E os esteios vão ficando esquecidos na lixeira, ou se tornam simplesmente um rascunho.
Os filhos agora entendem tudo de Placa Mãe. Que não chora e não gera filhos. Mas é a responsável pelo funcionamento da máquina onde todos os componentes são acoplados, e sem ela o computador não existiria. Igualzinho à Mãe de carne e osso que abraça todos os filhos com amor e carinho, e sem ela a família não existiria. O problema é que ela pensa e não aceita ser formatada na hora que o filho quiser.
Os pais não são perfeitos como os computadores, então é preciso apagar lembranças de terem sidos empurrados em carrinhos de bebês, e de noites mal dormidas porque alguém chorava ou ficava doente.
Para quê conversar com quem não se deixa modificar num simples apertar de uma tecla?
Os amigos agora são virtuais.
Os amores são superficiais.
Nós acima dos cinquenta anos estamos sendo vencidos pela tecnologia que oferece muito mais atrativos para nossos filhos. Que só pensam em nos apagar do seu círculo de amizades, e da própria vida.
Na mesma proporção que a tecnologia avança, os corações embrutecem e o pensamento é e será sempre vencer mais um desafio desses jogos violentos, que nada acrescentam no crescimento moral e intelectual de quem deixou-se escravizar por uma máquina.
Os nossos filhos!
Que se trancam nos quartos.
Seu disco rígido não tem espaço para momentos de cumplicidade com os pais. Sua memória ram não consegue lembrar quantos abraços e beijos foram compartilhados.
As “máquinas” humanas que formataram suas vidas com carinho e amor, sem disco rígido e sem placa mãe, estão ultrapassadas e precisam serem jogadas em um quartinho dos fundos, misturando-se com as geringonças eletrônicas obsoletas.
Alguns receberão uma visita de vez em quando em um asilo de caridade.
Se os jovens não pararem para pensar e não fizerem a inclusão do amor junto com a inclusão digital, daqui a poucos anos o mundo será habitado apenas por robôs, e os da minha geração irão se encontrarem com a mãe terra muito antes do que pensavam.
Sei que não dá para conceber um mundo sem os avanços tecnológicos.

Mas enquanto tiver forças vou lutar contra o lado perverso desse senhor de engenho chamado computador, para que ele possa ser usado para o bem, e não para escravizar nossos jovens

2 comentários:

  1. Olá estimado Geraldo,

    Amigos virtuais e amores superficiais. É isso mesmo.
    Através da NET, tudo se pode comprar, obter. Até o AMOR, veja bem.
    Claro, que a Informática tem muito de positivo, em muitas áreas, mas falar, dialogar às refeições, passear juntos, namorar no jardim, no pub, ouvir uma música romântica, tanta coisa, que as máquinas jamais farão.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  2. Olá Geraldo! Adorei seu texto sobre a placa mãe.
    Ah se os filhos desta geração soubessem realmente que os afagos, os olhares, os abraços apertados, não poderão substituir nunca uma máquina.
    Tenho medo desta geração que se esconde, que não sente essa necessidade do toque, pois o que será deles? Os diálogos estão cada vez mais escassos, os video-games tomaram o lugar do aconchego. Tenho visto muito isso em familias de adolescentes modernos.Mas acredito que se chegamos no limite perverso, alguma coisa há de seguir o movimento histórico, rítmico da vida que grita a presença e os toques humanos tão necessários para o desenvolvimento das crianças. Sei que um dia chegaremos a dar essa volta. Acredito no grito da mãe terra, no cuidado com a natureza, no cuidado com o meio ambiente. Daqui há alguns anos o ser humano irá gritar novamente o grito do abraço, dos olhares sem interesse, do toque incondicional, das lágrimas incontidas e por aí vai............Há não ser que inventem máquinas que chorem. Duvido. O ser humano é único criado a imagem e semelhança de nosso Pai encarnado em seu filho Jesus Cristo.Abraços. Seu texto é lindo , mexeu comigo. Desculpe o desabafo. De sua grande amiga e irmã em Cristo. jane.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade