17 agosto, 2010

DEUS AMAVA O NÚMERO PAR

                                                                               
            
















De repente comecei a pensar em Deus e descobri que Ele tinha uma predileção especial pelo número par.  Deem uma lida na bíblia e verão que maioria das maravilhas que criou foi concebida aos pares. Será que não foi para nos dizer que nada e nem ninguém neste mundo foi criado para o isolamento? Que nada e ninguém deste mundo, por mais que queira, não está e nem consegue viver sozinho?
O ser humano percebeu isto?
Uma pedra no meio da imensidão de um deserto não está só, além de ser parte integrante da areia, é ponto de referência para os caminhantes. - É antes ou depois daquela pedra!
Uma única árvore enfeitando a paisagem de um descampado também não está sozinha, é parte integrante ou sobrevivente de uma natureza destruída, e que bravamente se funde com o céu fincando suas raízes na terra em um sincronismo perfeito. 
E no sexto dia Deus viu que tudo era bom.
No seu maior momento de inspiração Deus deu vida ao homem como sua imagem e semelhança. Era apenas um. Como a primeira criatura estava impar e se sentia solitária, o Divino Mestre tratou logo de aprimorar o que era perfeito e criou a mulher para completar o par que daria sequência na formação da humanidade.
Deus enviou dez pragas para atingir o Egito para que o Faraó libertasse seu povo.
Nas bodas de Caná Jesus mandou que enchessem seis jarros de pedra com água para transforma-la em um excelente vinho.
Na multiplicação dos pães ele recebeu seis pães e dois peixes de uma criança para multiplica-los e alimentar a multidão.
Jesus se retirou para a montanha e jejuou quarenta dias e quarenta noites. Ele foi traído por Judas que recebeu trinta moedas.
Foi crucificado junto com dois ladrões.
Então, vamos analisar como fomos concebidos aos pares.
Uma cabeça com um cérebro dividido em dois com funções diferentes e perfeitamente sincronizados controlando todo o corpo como uma orquestra perfeita, uma parte que dorme à noite e outra trabalhando vinte e quatro horas por dia.
Uma boca com vinte dentes quando criança e trinta e dois quando adulto, para falar de amor, e infelizmente muitas vezes para difamar e agredir os outros. Dois lábios que se abrem para falar e se fecham em um beijo que abrem as portas do prazer. Um nariz com duas narinas para receber o oxigênio que nos dá vida e expulsar o gás carbônico que nos mata. Para sentir o perfume das plantas e das flores, dos bichos e dos homens. Para sentir o cheiro que atraí o parceiro (a) e os perfumes concebidos pelo homem para dar um toque de magia na entrega de dois corpos. 
Dois olhos que fotografam e revelam ao mesmo tempo as maravilhas que Deus criou e que mostra o caminho que todos precisam trilhar na construção da sua existência. 
Dois ouvidos para captar o som da sinfonia perfeita da natureza e dos homens, e que ao mesmo tempo nos faz suportar as aberrações agressoras dos barulhos da modernidade. 
Duas mamas que amamentam com carinho e que são ao mesmo tempo dois peitos que enfeitam e provocam. Dois braços e duas mãos com dez dedos para acariciar, provocar arrepios e se abrirem em gestos de carinho e de paz, para acolher e abençoar, ou se fechar para agredir.
De um dos lados do peito, um coração com dois átrios, esquerdo e direito batendo incessantemente para que seu pulsar faça a vida continuar brotando e se renovando a cada dia, que é alimentado por duas grandes artérias que transportam o sangue em uma corrida frenética pela vida. 
Dois pulmões que filtram e purificam o ar.
Dois rins para filtrar o sangue que corre levando nutrientes de vida para a máquina perfeita. 
Dois intestinos para processar os alimentos e tirar as vitaminas necessárias para que os pares trabalhem em harmonia.
Um órgão genital que precisa se fundir com outro para formar par numa relação de amor e de tesão, ou só de tesão, para que uma nova vida venha enfeitar o mundo.
Duas pernas com dois pés e dez dedos para correr, saltar, brincar. Para caminhar ao lado da pessoa amada. Para caminhar a passos largos ou calmamente, para subir no topo das montanhas ou descer aos confins da terra e poder a cada dia se ver numa encruzilhada e desfrutar a liberdade de escolher o caminho a percorrer. 
 ADÃO E EVA
Sodoma e Gomorra.
Antigo e Novo Testamento.
Os mandamentos eram dez.
Quarenta são os livros da Bíblia, agrupados em quatro classes.
O livro Atos dos Apóstolos tem quatorze epistolas.
Roma e Athenas.
Os apóstolos eram doze.
Pedro e Paulo
Cristo mandou os apóstolos irem pregar de dois em dois.
Céu e inferno.
Noite e dia.
Sol e lua.
Fauna e flora.
Água e fogo
Calor e frio
Terra e mar.
Vida e morte.
Tudo par.
E que a mais perfeita criação continue se multiplicando aos pares, e que num futuro não muito distante ninguém se sinta só e que em cada coração haja lugar para alguém estar sempre formando par-ceria para a vida e para o amor.



Um comentário:

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade

Postagens mais visitadas