BETIM, UM PARAÍSO SENDO DESTRUÍDO

16 julho, 2013

MOSTRANDO OS ERROS


NENHUM SER HUMANO DEVERIA VIVER ASSIM.














Andar sem ter um lugar para ir é muito bom.
Andamos sem compromisso, vemos gente sem compromisso, observamos coisas sem serventia e pessoas sem destino.
Conversamos com quem não quer conversar, escutamos pessoas que não escutam e enxergamos gente que não nos enxerga e amamos pessoas que não nos amam.
E assim a vida prossegue, e cada dia é uma nova caminhada.
Vemos gente bonita por fora e feia por dentro, gente feia por fora e bonita por dentro.
Falamos coisas que não queremos e escutamos coisas que nos ajudam ou nos atrapalham.
Andando sem compromisso delimitamos os limites entre o céu e o inferno.
Quando alcançamos esses limites vemos com mais facilidade os desencontros das pessoas  que nasceram irmãs e se perderam nas encruzilhadas da sua existência.
Cada um tomou seu caminho, e muitas vezes se escondendo atrás do egoísmo e da omissão.
E nessas andanças observamos o comportamento das pessoas.
Um cego não encontra uma mão amiga para ajudá-lo na travessia de uma rua. As ruas estão cheias de mãos que não se encontram e não se tocam nem para cumprimentar um amigo que está ficando cada vez mais raro. 
Nos lares os filhos não recebem mais o abraço dos pais na hora do sucesso, e existem tantos braços nos lares, braços que poderiam se fecharem a todo o momento para um abraço fraterno.
Muitas pessoas insistem em deixar seus braços abertos sem abraçar ninguém, porque esqueceram que O maior de todos os homens morreu com os seus abertos porque estavam pregados.
Não queriam que Ele os fechasse para abraçar a humanidade.
Mas mesmo assim
Ele nos abraçou.
Existem muitos jovens que se tornaram marginais porque enquanto crianças e adolescentes seus pais não abriram seus corações e seus braços para lhes darem amor, e eles foram abandonados dentro de casa, e não tiveram ninguém que os amparasse na hora dos primeiros passos. E em caminhadas vacilantes foram crescendo,  e nos desencontros de todos os dias não encontraram  ninguém que lhe mostrasse o caminho do bem.
E este “produto” de um erro cresceu e cometeu erros maiores, foi preso, espancado e morto.
Quem foi o responsável?
Existe uma resposta para esta pergunta?
Ninguém tem coragem bastante para respondê-la.
As ruas estão cheias desses "erros" e desses ninguéns dormindo nas calçadas, comendo restos da lata do lixo e fazendo sexo porque não aprenderam fazer amor.
Eles não fazem parte da sociedade porque não podem transpor o abismo que divide as pessoas.
Hoje mais uma vez observei os pobres, escutei as crianças anunciando seus produtos, e ouvi pessoas pedindo pelo amor de Deus.
É tanta gente dormindo nas calçadas.
É tanta gente não vivendo, que se no útero soubessem que a vida aqui fora seria assim.
Com certeza não teriam nascido.

                                       

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade