23 de dez de 2012

A MANJEDOURA SE ALARGOU


 









Olhei para todos os lados procurando um Deus invisível que ouvisse minha oração e que atendesse meus pedidos.
Como dizem que ele é Rei, Comecei a procura-Lo em grandes templos e em suntuosas igrejas.
Mas não encontrei.
Procurei sua presença nas palavras dos grandes pregadores que se dizem “homens de Deus”.
E nelas também não estava.
Comecei a desistir, quando alguém me lembrou: Ele nasceu em uma manjedoura!
Um nome bonito. que nada mais é que um simples coxo para alimentar os animais.
Aí tudo se tornou claro como o dia!
Fui procurá-Lo no meio dos pobres
E lá estava.
Comendo com os pecadores.
Dizendo sim à prostituta.
Conversando com os presos
Morando nos asilos de caridade.
Jogados pelas ruas.
Sendo novamente crucificado com os ladrões
Sendo abandonado com sua cruz pesada demais.
Nos barracos da periferia das grandes cidades.
Nos casebres em locais escondidos de tudo e de todos.
Nos carrinhos que carregam a indiferença, e o lixo das grandes cidades
Dormindo envolto em trapos imundos.
Se misturando ao lixo em caixas de papelão, porque todas as portas se fecharam.
E os corações embruteceram
Então, a manjedoura se alargou
E o coxo onde o bicho homem se alimenta, continua sem espaço.
Para os deserdados do sistema.
E muitas vezes até para o filho de Deus
Que volta a nascer toda vez que alguém clama por justiça


      

Um comentário:

  1. Uma bela reflexão sobre a data amigo.
    É bem assim, o principal convidado foi esquecido ao longo do tempo e o que se vê é uma correria para o consumismo.Lamentavel né?
    Um abração e Feliz Natal de paz e luz com a familia.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade