FORA BOLSONARO, O VIRUS QUE ESTÁ MATANDO O BRASIL

6 de dez. de 2011

MORADOR DO MUNDO

                                                                                                                  




De repente, a cabeça fica cheia de zumbidos. As ideias se misturam, e um ser humano até então normal sai pelo mundo e começa a vagar sem rumo como um zumbi, ou como um Cristo abandonado que o mundo insiste não enxergar. De repente a família acha o idoso (a) um fardo muito pesado para sustentar, o amor uma coisa muito difícil de dar, e um pai ou uma mãe são abandonados na rua como cães sarnentos que ninguém quer cuidar. De repente os corações de pai e de mãe endurecem como granito, a falta de amor espanca, humilha, e maltrata o corpo e a alma, fazendo com que um, (a) jovem ou uma criança também sejam jogados na rua sem caminho e sem esperança.
De repente...
O divórcio.
A droga.
O álcool...
A fome e a falta da família.
O acasalamento irresponsável dos adultos.
O acasalamento irresponsável de jovens que não tiveram onde se apoiarem, a falta de emprego e de justiça. A falta de governo e de escrúpulos dos políticos que só governam para os próprios bolsos e para os ricos.
O esquecimento de Deus
E este conjunto maldito cria os andarilhos!
Pessoas atravessam o país de ponta a ponta como quem procura algo precioso que ficou em algum lugar que não se lembra mais. Pessoas dormem ao relento enquanto as cidades se enchem de galpões vazios e de igrejas vazias.
Estes são os moradores do mundo.
Os verdadeiros donos do mundo!
Habitantes ilustres e temporários de alguma cidade.
“Entulho” amontoado nos guetos que ninguém quer recolher.
Enquanto o corpo tiver força e a estrada for amena, as cidades serão apenas um local de descanso e reabastecimento.
O tempo é implacável, e a velhice chega de mansinho como um amigo que não quer ir embora. Quando os anos obrigam o velho corpo a se acomodar, chega a hora de parar em algum lugar e procurar um abrigo seguro, mesmo que este seja debaixo de uma marquise ou de uma ponte.
Existem também os andarilhos suburbanos, pobres abandonados na sua própria terra, que vagueiam pelas ruas trombando em parentes que não conhecem, e nos amigos que fugiram ou se esconderam atrás da falta de tempo.
Aqui na minha cidade tivemos vários desses deserdados. Porém, a mais conhecida foi a “Geralda (Torrão da Igreja Velha)”, ambas já morreram, a Geralda atropelada, primeiro pelo abandono que a fez ir morar em uma vila vicentina, depois o golpe fatal foi dado por um automóvel que a fez ir se encontrar com o criador.
A Igreja foi demolida por um prefeito já falecido, com a complacência de uma população sem raízes que nada fez e assistiu tudo como coisa natural.
A Geralda era a alegria da garotada, quando aparecia a algazarra estava formada, era pedra pra tudo enquanto era lado. Morava na Vila Vicentina, morreu onde sempre morou de verdade. Na rua.
Não sei se existe outra moradora do mundo mais conhecida. Quando era criança fui a Ouro Preto e fiquei conhecendo a Dona Olímpia, até foto dela era vendida como parte do folclore da cidade.
Os donos do mundo vivem à margem da sociedade, não possuem documentos, seus nomes não constam em nenhuma estatística. Não são gente! Sobrevivem heroicamente como testemunhas do abandono. São mártires sem causa e sem bandeira. São santos sem religião e sem credo. São filhos do mesmo Pai, e irmãos abandonados. Pelos donos do poder que se preocupam apenas com o lucro, não importando se para isso seja preciso massacrar os mais humildes, e arrastar seu semelhante para a miséria absoluta.
Mas são gente...
Moradores do mundo como o Sr. Juvêncio. Que veio sem querer e ficou. Começou a andar pelas ruas catando uma lata aqui, um papelão acolá, e assim ia tirando o seu sustendo no lixo que os “educados” insistem em jogar nas ruas ou nas lixeiras onde só serão recolhidos no dia seguinte.
Este não era um mendigo qualquer. Não fazia sujeira, revirava as lixeiras retirando o que lhe interessava e arrumava tudo de volta para que nada sujasse a calçada. Andava de um lado para outro conversando sozinho, fazendo movimentos com os braços como se estivesse regendo uma grande orquestra de músicos imaginários. Parecia doido, seus braços viviam cheios de sacos e sacolas que ele mais parecia uma prateleira ambulante. Carregava um saco enorme nas costas como se ali estivesse guardada toda a sua vida. E é muito provável que o conteúdo era realmente um tesouro. Todas as lembranças e a falta delas dentro de um saco. Toda uma vida dentro de um saco! Todo um saco de vida carregado nas costas.
Encurvando a coluna.
Doendo!
Costumávamos chamar de doidos as pessoas que falavam sozinhas. Esquecemos que a solidão e o abandono são rolos compressores que esmagam a vida. Quando ninguém quer parar para uma simples conversa, a solução é sair falando pelos cotovelos para que as palavras também não resolvam fugir fazendo com que o silêncio torne a existência um fardo ainda mais pesado.
No princípio as mães não deixavam os pequeninos chegarem perto dele, ameaçavam chamar o “homem do saco” para levá-los quando fizessem alguma peraltice. Então os pequeninos não se aproximavam do nosso ilustre morador, e quando um deles não conseguia correr, o senhor Juvêncio o abraçava, e dos seus bolsos esfarrapados sempre saía uma bala para adoçar a boca do pequerrucho.
Saiu com esta, quando lhe perguntaram se tinha documentos: –Eu não preciso de documentos, porque com eles somos apenas números. Os documentos servem para prender as pessoas que chegam ao absurdo de terem mais de uma agenda para marcar compromissos que não serão cumpridos. Quero que compreendam que vocês não são tão jovens que não possam ensinar, e eu tão velho que não possa aprender.  Que o ideal a ser perseguido é a grandeza do espírito e a serenidade da alma. Vocês precisam acreditarem que a grandeza de Deus não se mede pela beleza do pôr-do-sol, e nem pelo rastejar de uma serpente. Cada um tem o seu valor. Assim como as flores que crescem de todos os tamanhos, de todas as cores e com todos os perfumes. Queria que vocês entendessem que a família é o bem mais precioso que existe. Mas quando o seio da família deixa de existir, as pessoas sentem-se abandonadas como se o próprio Deus as tivesse expulsado mais uma vez do paraíso.
Como será que ele conseguia falar tão bem?
Quem era esse homem? De onde veio, e por que veio? Todos ficaram intrigados. Nenhum professor da escola falava tão bem quanto ele. Será que sente falta da família, ou ela nunca existiu?
Agora ele faz parte da cidade, as crianças não têm mais medo do “homem do saco”. Os adultos já o convidam para comer em suas casas. Agora não fica mais sozinho, não precisa mais buscar seu sustento nas lixeiras. Mas mesmo assim vivia limpando as ruas como se fosse um gari sem remuneração.
Visitava seu barraco apenas para dormir.  
Um belo dia a cidade ficou mais triste.
O “Sr. Juvêncio” havia sumido. Os jovens percorreram todos os cantos da cidade à procura do amigo, mas foi em vão. Como a vida não para todos se acostumaram com a ausência do “velho maluco”, mesmo sabendo que mais dia menos dia, um outro apareceria.
Ele já havia caído no esquecimento quando o carteiro abriu uma carta endereçada à toda a cidade.
“Desculpem ter saído sem me despedir. Não suporto as despedidas, não tenho mais lágrimas para chorar. A vida nesta cidade estava boa demais para ser verdade. Foi a primeira vez que fui tratado como um ser humano, mas não consigo viver entre quatro paredes”. A minha casa é o mundo, o céu é meu telhado enfeitado de estrelas. Quero lhes agradecer por tudo que fizerem por mim. Nunca vou esquecer esta cidade. Ela foi o meu melhor quarto, e vocês os melhores vizinhos que tive em toda minha vida.
Com o passar do tempo o nosso amigo foi ganhando a confiança das pessoas, e assim conseguiu um quarto para morar. Agora já não fica ao relento, e com isso os jovens ganharam mais um lugar para o bate-papo. A porta do barraco era o ponto de encontro, e o Sr. Juvêncio era o interlocutor das conversas. Na verdade, era ele o orador oficial da turma. Ele não se fazia de rogado.
 


7 comentários:

  1. Excelent ,oportuno e realista esse texto.A solidão e o desamor acabam com os velhos ,jogados ao léo,sem destino. Abç

    ResponderExcluir
  2. A narrativa engenhosa, a crítica transparente e a emoção sintática, que são oportunas e aprazível, é o que me impulsiona a continuar visitando este espaço e lendo estas palavras tão belas e fortes ao falar de sentimentos, ou ainda, da ausência destes. Agradeço por sempre responder meus comentários e de gostar de minha singela presença aqui.Parabéns pelo textos e por sua capacidade construtiva que é inédita e coerente.
    Abraços, Wesley Carlos.

    ResponderExcluir
  3. Olá estimado Geraldo,

    Seu texto gosta de "pôr a mão na ferida" e "chamar os bois pelos nomes.
    Vivemos numa sociedade de consumo, onde, tal como o próprio nome indica, se consome, se usa e depois se joga fora.

    Sentimentos? Valores? Amizade? Interacção? Ajuda? o que é isso, nos tempos, que correm?

    Bonitas as histórias, que nos relatou: A da Geralda e do Sr. Juvêncio. Esses são os puros, e será deles o reino dos céus.

    A solidão e a ausência de amor ao próximo, são responsáveis, actualmente, pelo estado a que chegou a sociedade.

    Abraços carinhosos de luz.

    ResponderExcluir
  4. Uma cronica perfeita do cotidiano amigo,seus persoanagens representam bem os grandes centros.Em cada um temos um tipo assim, que ali jogado nas ruas escondem suas historia e nos dão lição em algumas vezes.Este personagem final mostrou bem com o ser humano sonha com a liberdade.
    Muito bom seu texto,rico em reflexão.
    Um abração.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde,

    Gostaria de uma ajuda, quem puder me ajudar favor responder no email:mauriciocamposmartins@hotmail.com

    É porque meu sobrinho está fazendo um trabalho sobre Geralda Torrão, e ele precisava saber qual a data de falecimento dela.

    Por favor, me ajudem !!!

    Obrigado

    ResponderExcluir
  6. E uma infeliz realidade que atravessa todas as sociedades. Enquanto os velhos têm dinheiro são estimados, quando o dinheiro ou bens se vão os velhos estão na fossa. Tudo adora o deus dinheiro esquecendo-se da história da manta partida ao meio.
    Gostava de cá voltar daqui a 100 anos.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade