24 de set. de 2010

CUIDAR-SE PARA BEM CUIDAR.

QUEM CUIDA DO CUIDADOR?




Fico olhando os funcionários do Lar Divino Ferreira Braga, e vejo o cuidado e o carinho com que todos tratam os moradores.
Os legítimos donos da casa.
Alguns dirão: Eles ganham para isto.
O que a grande maioria esquece é que, afeto, carinho, e caridade não são moedas de troca.
Ninguém compra ou vende aquilo que só pode ser medido pelo coração.
E ninguém pode dar aquilo que não tem.
Algumas pessoas têm a função de cuidadoras.
Mas todos são cuidadores.
A cozinheira ao dar seu toque especial no tempero.
O motorista com o cuidado de quem transporta uma joia, ao transportar corpos frágeis que precisam de cuidados especiais.
A faxineira precisa saber onde passar o rodo e qual a melhor maneira para se lavar tal área.
E assim, cada um na sua função dá o melhor de si para quem no final da vida já perdeu quase tudo.
Todos são cuidadores.
E quem cuida dos cuidadores?
Será que em casa eles recebem o mesmo carinho que distribuiem durante sua jornada de trabalho?
Será que os maridos, as esposas e os filhos sabem e reconhecem o papel importante que eles representam na vida de cada morador?
Será que o salário que recebem é digno para a tarefa que executam?
E é suficiente para o cuidado com a saúde e com a beleza do corpo?
E fico pensando...
Como cuidar de alguém, se não consigo cuidar de mim mesmo?
Quando estou com algum problema tenho a quem recorrer?
Os trabalhadores de instituições de caridade, ou de qualquer área que cuida da saúde dos outros, precisam terem condições de levar uma vida saudável.
Principalmente no lado psicológico.
É preciso cuidar-se para bem cuidar.
Para isto é preciso buscar uma sintonia com a natureza, com as pessoas, e principalmente com Deus,
para terem pensamentos positivos quando estiveren cuidando de um acamado que já não tem movimentos que ajudem no cuidado.
Para ter atitudes de caridade quando um morador ou um dependente recusa sua ajuda.
Ter sentimentos de paz quando ocorrer um desentendimento, ou quando alguém reclamar dos seus cuidados.
Ser os olhos, as pernas, e os braços dos outros, é missão que Deus designa para poucos.
Os que assimilam o lado sagrado desta jornada crescem e levam junto os dependentes dos seus cuidados, e os que não atendem ao chamado são simplesmente funcionários.
Ser cuidador é missão.
Quem aceita é doador.
Assalariado ou não.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade