09 março, 2021

REFÉNS DA INDIFERENÇA


                                           REFÉNS DA INDIFERENÇA








 

Às vezes fico incomodado
Quando vejo casais se separando
Depois que dividiram a cama a vida por um longo tempo
E cada um, vencidos pela tristeza, se recolhendo no seu canto
 
Às vezes sinto-me muito triste.
 
Quando um casal que parecia feliz, se separa
E continuam dividindo o mesmo teto, sem terem para onde ir embora
Ficam tristes, cada um no seu canto, lamentando o que aconteceu
E na solidão que machuca, alguém com certeza sofre e chora
 
Tantos anos vivendo juntos, não vislumbraram o que estava faltando
Talvez um pouco de caridade, de paciência, muito amor, tesão e emoção.
E os dois foram vencidos pelo tempo que é implacável contra a mesmice
E vencidos também pela indiferença
deixaram a tristeza e a solidão abrir um vazio em cada coração
 
Como jogar fora tantos gestos de carinho, e palavras de amor?
Como esquecer as muitas alegrias, e muitos beijos apaixonados?
E depois descobrirem que tudo não passou de uma mentira
Ou que os dois, pelo destino foram enganados
 
Não devia ser assim!
 
Depois de tantos anos dividindo a mesma cama
Não poderiam ter deixado ir embora a esperança
Esperança...
De continuar vivendo a ternura da entrega que um dia foi por prazer
E que hoje, com tristeza, os tornaram reféns da indiferença


Um comentário:

  1. GERALDO,

    A nós que somos seus leitores, você inicia nos pedindo desculpas por não estar a falar de amor e sentimentos.
    Meu irmão de fé, eu agradeço muito por este artigo, quer maior amor por você sentido e a nós revelado através de seu pesar e solidariedade aos idosos e familiares vítimas da pandemia e do descaso do governo? Diante de tão absurda e sofrida situação você nos leva a acreditar que o pesadelo passará e a vida triunfará novamente.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade