BETIM, UM PARAÍSO SENDO DESTRUÍDO

19 março, 2014

QUATRO MESES DE AGONIA.


PARA QUE GASTAR DINHEIRO AQUI?
É ASSIM QUE VIVE O NOSSO POVO! CADÊ O FUTURO?













 







A vida do brasileiro comum é um verdadeiro martírio durante quatro meses no ano. Exatamente o último mês do que está indo embora e os três primeiros do ano novo que se aproxima. 
Que de novo nunca tem nada!
Agora vamos tentar entrar neste emaranhado de falmacutaias que começam no fim de ano e continua no ano seguinte.
DEZEMBRO
Logo no começo entra em cena a máfia das formaturas, que com a conivência de escolas e universidades faturam alto, muitas vezes às custas de quem penou para conseguir pagar as mensalidades cobradas pelas instituições de ensino.
Pasmem!
A modernidade obriga a se fazer festa até em formatura de crianças do Jardim de Infância, hoje, denominada Escola Infantil.
E pergunto...
Esta criança está se formando em quê?
E dá-lhe festa.
No ensino fundamental e médio o jovem está se formando em quê?
E dá-lhe festa!
Nas faculdades e universidades o gasto com a formatura chega a beirar o absurdo. Os formandos que não são ricos, de uma hora para outra se transformam em camelôs e começam a vender todo o tipo de bugiganga para arrecadar fundos para a bendita ou maldita festa de formatura.
Um álbum de fotos (o chique é falar Book de Formatura) chega a custar a bagatela de R$ 5.000,00 e o representante da empresa contratada para filmar e fotografar os formandos faz tanta chantagem emocional que muitas vezes o aluno aceita um parcelamento para pagar pelas fotos irão amarelar no fundo de uma gaveta.
Algumas instituições de ensino, mesmo sabendo que é contra a lei, cobram para emitir os diplomas e entregar para os formandos,
Passada a euforia das formaturas, vem a preparação para o Natal que está chegando.
A maioria das pessoas não está nem se lixando se esse dia é ou não para se comemorar o nascimento do menino Deus que nasceu dentro de um curral e foi acomodado em um cocho usado para alimentar os animais. As cidades se enfeitam, e o dinheiro que se consome de energia elétrica daria para alegrar o Natal de muitas pessoas pobres.
Mas o comércio precisa faturar.
As propagandas de falsas ofertas enfeitam as lojas e povoam o pensamento das pessoas. E de e repente, sem mais nem menos, é preciso comprar aquela televisão de 60”; e a máquina de lavar já ficou velha demais. Os noticiários mostram os shoppings superlotados, e as pessoas com os braços cheios de sacolas subindo e descendo escadas parecendo que todo mundo se sente na obrigação de também comprar alguma coisa.
E o cartão de crédito é usado sem nenhum controle. Depois a conta vem!
Enquanto as igrejas permanecem vazias, os hotéis, bares, botecos e restaurantes ficam sempre cheios, quando homens e mulheres se embebedam. e como umas bestas, vão dirigir seus carros ignorando totalmente as leis de trânsito.
E as estradas e rodovias tornam-se intransitáveis e muitas pessoas têm suas vidas interrompidas.
JANEIRO: Terminada as comemorações de final de ano, depois de assistir à queima de fogos que consumiu milhões. Depois de fazer sua oferenda aos orixás, as pessoas voltam para suas casas e para a rotina do seu dia.
Para alguns começa o tempo de férias e é preciso viajar com as crianças porque ninguém é de ferro.
E como sempre, aumentando a procura, os preços de passagens e hospedagens também aumentam de forma abusiva, e as agências de viagem fazem festa, e ao consumidor só resta uma alternativa: aceitar ou não viajar. 
E lá vem um parcelamento da despesa.
Ao voltar das merecidas férias, o presente que cidadão recebe logo no começo do ano é o aumento do IPTU, e lá vai mais parcelamento. 
E o dinheiro arrecadado sempre retorna em bens para os políticos e funcionários públicos inescrupulosos.
As cidades continuam com seus antigos problemas: esgoto a céu aberto, falta de segurança, saúde precária, e por aí vai.
Daí uns dias vem outra bomba: IPVA, TAXA DE LICENCIAMENTO E SEGURO OBRIGATÓRIO. E vem mais um parcelamento para consumir o salário.
Até hoje nenhuma autoridade conseguiu explicar para onde vai tanto dinheiro. Eles sabem para onde vai, mas se disserem, com certeza, muita gente irá parar na cadeia.
E mais uma vez ficamos vendo o mesmo filme de antigamente, estradas em péssimas condições, saúde sucateada e o povo pagando seus pecados por terem votado em sacanas. A gente paga esses impostos abusivos, e para estacionar o carro nas ruas temos que pagar estacionamento e dar dinheiro para o “famoso flanelinha”.
De todos os impostos, o mais absurdo é o Seguro Obrigatório, quem paga mais de R$ 1.000,00 em um seguro privado deveria ser isento desta cobrança
FEVEREIRO: Este é o mês das contradições, as cidades voltam a ganhar movimento com a volta às aulas, e logo de cara vem a taxa de rematrícula, o aumento das mensalidades e a famosa lista de Material Escolar. Quase sempre os filhos não querem nem olhar para o que sobrou do ano anterior, querem começar o ano novo com tudo novo. 
E lá vem outro financiamento.
E de repente ouve-se o roncar da cuíca e tudo vira festa. É o carnaval chegando, é mais um feriado prolongado para alguns fugirem das grandes cidades, e para outros caírem na folia e correrem atrás do trio elétrico. E sem mais nem menos, pessoas pobres transformam-se em reis e rainhas mostrando seus gingados nas escolas de samba de várias cidades.
E mais uma vez o dinheiro público é usado para patrocinar cinco dias de festas regadas a álcool e sexo. E quando a festa termina, o rei e a rainha não têm um serviço de saúde decente para atendê-los na hora que precisarem.
O nosso povo é festeiro, e onde tiver pão e circo tudo estará às mil maravilhas, o resto é apenas um pequeno detalhe. Nesses dias de entrega total, algumas pessoas se lembram de Deus apenas para pedir que o seu bloco ou sua escola seja a campeã.
Quando as algazarras cessam e a cuica para de roncar, entramos em ritmo de quaresma quando muitos se ajoelham nas igrejas jurando que no ano que vem tudo vai ser diferente.
MARÇO:
Este é o mês do Leão, e podem ter certeza, leão brasileiro é infinitamente mais feroz que o africano, e sua mordida é certeira, principalmente nos pobres que não conhecem os atalhos que os corruptos usam para não pagarem impostos.
Só para ilustrar vou narrar o que acontece todos os anos com as pessoas honestas que pagam seus impostos regularmente. Em 2014, uma contribuinte, professora aposentada pelo estado e ocupando o cargo de Pedagoga em uma escola municipal. Como teve dois rendimentos, ela recebeu R$ 89.000,00 durante o ano e teve descontado em folha a quantia de R$ 7.900,00. Ao fazer a declaração ela pagou mais R$ 5.600,00, e com isso ela teve uma despesa de RS 14.500,00 só de imposto de renda e por ter optado por trabalhar mais, ela teve que pagar o equivalente a quase cinco meses de trabalho.
Como esta Pedagoga, milhões de pessoas sofrem o mesmo assalto institucionalizado assistido de camarote por ministros e políticos de todos os partidos, que com raríssimas e belas exceções, roubam descaradamente o dinheiro do contribuinte.
Não citei os impostos que pagamos em tudo que compramos e nos serviços que usamos, mostrei apenas os quatro meses mais críticos, os outros são para a gente reclamar do governo.
E com tristeza assistimos nos noticiários como o nosso dinheiro é roubado por muitos políticos, funcionários públicos, e empresários inescrupulosos.
Infelizmente esta é a realidade de milhões de contribuintes explorados há muito tempo por governos sacanas, seja qual for a legenda que nos governa.                             

 

3 comentários:

  1. Querido Geraldo!

    As imagens, que você postou, me impressionam. Lixo, criança, esgoto, tudo coabita.

    Que estúpido e aberrante contraste entre elas e ao país que vai receber a copa do mundo. E diz o governo, que quer acabar com o tráfego de drogas, para causar boa impressão aos estrangeiros, que, aí vão estar. Que mentira! Para iludir quem?

    O retrato, que você faz do seu país e do brasileiro médio, é uma dura verdade, mas é verdade.

    Depois, você faz um resumo, um inteligentíssimo apanhado dos três primeiros meses do ano, no seu Brasil. EXCELENTE. O ano, para muitos de vocês só começa, em abril, mesmo.

    Sou portuguesa, e tudo o que eu possa dizer, pode ferir o vosso caráter e maneira de viver, mas o meu país, se compararmos com o seu, é um paraíso.

    Lúcido e real post. Parabéns!

    Beijos, com carinho e muita estima.

    ResponderExcluir
  2. A questão é como mudar esse cenário com políticos corruptos dirigindo o país, legislando em causa própria, saqueando o país deixando a população em completo abandono. O voto ainda é a a melhor arma para reverter essa situação. Mas para isso é necessário fazer uma peneira fina, selecionar muito tentar encontrar a melhor maneira de separar o joio do trigo. Qual seria a melhor solução? votar ou não votar?Eis a questão.

    ResponderExcluir
  3. Olá, conterrâneo Geraldo Ribeiro, quando os péssimos exemplos vêm da própria cúpula governamental, o que se pode esperar do nosso querido Brasil? A miséria aumenta na classe menos favorecida e ainda pensam em aumentar impostos. Deputados,Senadores, Ministros e outros graúdos, envolvidos em escândalos, que vergonha!

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade