13 de jul de 2013

MEU BAIRRO PARECE UM LIXÃO

Esta linda imagem é de três lotes vagos na rua ANTONIO QUIRINO, perto da Escola


Moro no bairro Ingá em Betim – MG e estou indignado com a falta de sensibilidade da última e atual administração. É lixo espalhado para todos os lados e lotes vagos servindo de BOTAS FORA com todo tipo de lixo e entulho, uma moradia perfeita para ratos de outros animais peçonhentos. Apesar de ter COLETA DE LIXO, alguns moradores preferem jogá-los na rua ou nos lotes vagos,  e muitos colocam o lixo para fora sem observar se é ou não dia de coleta.

 MEU BAIRRO PARECE UM      LIXÃO
Hoje, andando pelas ruas do meu bairro fiquei com vergonha diante de tanta falta de compromisso com a vida.
Com a vida da comunidade.
Com a ecologia.
Com o planeta.
Toneladas de lixo enfeitam as ruas e lotes vagos que se transformaram em botas fora de entulho de todas as espécies, como se fossem grandes lixões a céu aberto.
Constantemente vemos automóveis de luxo sendo estacionados nas avenidas, e pessoas bem vestidas tiram sacolas de lixo, moveis velhos e qualquer quinquilharia e jogam no córrego e no rio.
O bairro é considerado de classe média e a maioria das casas tem um padrão considerado bom. Muitas pessoas constroem ou reformam grandes residências e para não pagar uma caçamba jogam o entulho nos lotes vagos, nas calçadas, nos passeios e algumas vezes até no meio da rua.
A atual administração, como a anterior parece que ainda não contrataram empresa para capinar o mato que toma conta das ruas. Outra falha gritante do poder público é a falta de fiscalização e punição dos donos dos lotes vagos que estão preocupados apenas com a valorização do seu imóvel. Também é passível de punição o morador que por preguiça ou falta de compromisso com a ecologia se recusa a limpar a frente da sua própria casa, com esta atitude, toda vez que cai uma chuva o lixo é levado para dentro da rede de esgotos.
Em uma cidade com coleta seletiva é inadmissível tanto lixo jogado nas ruas e nos lotes vagos.
Poucos reciclam.
Restos de comidas são jogados nos lotes vagos atraindo ratos e outros animais peçonhentos que em pouco tempo começam a correr pelos quintais e dentro das nossas casas.
O caminhão que coleta o lixo tem dia e horário para passar, poucos são os que ensacam o lixo e muitos os colocam nas lixeiras fora do horário e dia.
Isto é falta de educação!
Ah! Não poderia deixar de referir-me aos que usam a mangueira d`água como vassoura, será que ainda não perceberam que a água potável do mundo está acabando?
O que me deixa mais indignado é que sempre que se fala em uma cidade suja todos lembram imediatamente de citar os bairros da periferia e os pobres.
O que a grande maioria insiste ignorar é que quanto maior o poder aquisitivo de uma família, mais lixo ela irá produzir.
Poucos moradores percorrem as ruas a pé, comece a fazer isso, quem sabe vendo de perto o lixo enfeitando as ruas como um cartão postal da indiferença, todos possam fazer alguma coisa para que esta situação seja revertida.
A nossa cidade está parecendo uma grande lixeira.
O que escrevi sobre o meu bairro serve para todos, se existe algum em situação diferente, parabéns para os moradores.
Esta linda paisagem acima são lotes vagos na Rua Antonio Quirino, perto da escola, a exemplo de muitos, o Sr. Helio Zeferino de Freitas e a família Paschoalim compraram apenas para especulação imobiliária e não se importam se ratos e outros animais peçonhentos infestam as casas dos seus vizinhos.

Um comentário: