BETIM, UM PARAÍSO SENDO DESTRUÍDO

02 março, 2022

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO

 




    Mensagem do Papa Francisco nós brasileiros                           

 

Realizada pela CNBB todos os anos no tempo da Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa, a Campanha da Fraternidade de 2022 deste ano tem com o tema: “Fraternidade e Educação”. A Mensagem do Papa Francisco para a Igreja no Brasil e todos os fiéis brasileiros
VATICAN NEWS
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lança nesta Quarta-feira de Cinzas, 2 de março, a Campanha da Fraternidade de 2022, com o tema: “Fraternidade e Educação” com o lema bíblico extraído de Provérbios 31, 26: “Fala com sabedoria, ensina com amor”.
Para a ocasião o Papa Francisco enviou aos fiéis brasileiros uma mensagem para o início da Quaresma e da Campanha da Fraternidade 2022.
Eis o texto integral:
Queridos irmãos e irmãs do Brasil!
Ao iniciarmos a caminhada quaresmal de conversão rumo à celebração do Mistério Pascal de Cristo, nos dispomos a ouvir o chamado de Deus que deseja conduzir-nos, através das práticas penitenciais do jejum, da esmola e da oração, ao encontro pessoal e renovador com o Ressuscitado, em quem temos a verdadeira vida e do qual devemos ser fiéis testemunhas.
Para auxiliar os fiéis nesse percurso de encontro, a Igreja no Brasil propõe à reflexão de todos, na Campanha da Fraternidade deste ano, o importante tema da relação entre “Fraternidade e Educação”, fundamental para a valorização do ser humano em sua integralidade, evitando a “cultura do descarte” – que coloca os mais vulneráveis à margem da sociedade e despertando-o para a importância do cuidado da criação.
Efetivamente, ao olhar para a sociedade hodierna, ou seja, percebe-se de maneira muito clara a urgência em adotar ações transformadoras no âmbito educativo a fim de que tenhamos uma educação promotora da fraternidade universal e do humanismo integral, como recordado no convite para um Pacto Educativo Global: “Nunca, como agora, houve necessidade de unir esforços numa ampla aliança educativa para formar pessoas maduras, capazes de superar fragmentações e contrastes e reconstruir o tecido das relações em ordem a uma humanidade mais fraterna” (Mensagem, 12/09/19).
Ao mesmo tempo que se reconhece e valoriza a responsabilidade dos governos na tarefa de auxiliar as famílias na educação dos filhos, garantindo a todos o acesso à escola, deve-se igualmente reconhecer e valorizar a importante missão da Igreja no âmbito educativo: “As religiões sempre tiveram uma relação estreita com a educação, acompanhando as atividades religiosas com as educativas, escolares e acadêmicas. Como no passado, também hoje queremos, com a sabedoria e a humanidade das nossas tradições religiosas, ser estímulo para uma renovada ação educativa que possa fazer crescer no mundo a fraternidade universal” (Discurso, 5/10/21).
Desejo de todo o coração que a escolha do tema “Fraternidade e Educação” se torne causa de grande esperança em cada comunidade eclesial e de efetiva renovação nas escolas e universidades católicas, a fim de que, tendo como modelo de seu projeto pedagógico o Cristo, transmitam a sabedoria educando com amor, tornando-se assim modelos desta formação integral para as demais instituições educativas.
Desejo igualmente, queridos irmãos e irmãs, que o itinerário quaresmal, iluminado pela reflexão proposta, seja ocasião de verdadeira conversão e que as sementes lançadas ao longo deste caminho encontrem nos corações dos fiéis a boa terra onde possam frutificar em ações concretas a favor de uma educação integral e de qualidade.
Confiando estes votos aos cuidados de Nossa Senhora Aparecida e como penhor de abundantes graças celestes que auxiliem as iniciativas nascidas a partir da Campanha da Fraternidade, concedo de bom grado a todos os filhos e filhas da querida nação brasileira, de modo especial àqueles que se empenham por uma educação mais fraterna, a Bênção Apostólica, pedindo que continuem a rezar por mim.
Roma, São João de Latrão, 10 de janeiro de 2022.
* 
Hodierna quer dizer:  modernonovorecenteatualcontemporâneo


                              MINHA MENSAGEM

 

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA, TABUS A SEREM VENCIDOS

 

Existem dois tipos de educação, a que é passada de pais para filhos e filhas que forma cidadãos e cidadãs, e a das escolas que formam profissionais.
Não me atrevo a dizer uma delas é mais importante que a outra.
E fico observando o comportamento das pessoas. Quando vejo na rua meninos e meninas com seus dezesseis anos ou menos carregando um filho no colo ou empurrando um carrinho com seu bebê, fico me perguntando: como será o futuro desta criança?
O que esses meninos e meninas têm de experiência de vida para passar para o filho ou filha?  A maioria dessas crianças serão criadas pelos avós, que na maioria das vezes também não souberam, não quiseram, ou simplesmente não tiveram condições financeiras e psicológicas para educarem seus filhos.
Será que esses jovens pais e mães são bons alunos em alguma escola? Será que a maioria deles frequentam alguma escola?
O grande problema desse país é que quando falamos em educação todos pensam logo em escolas e universidades. 
Grande engano! 
Quem deve preparar os jovens para uma vida pautada na honestidade, na decência, pela educação e pela caridade são seus pais e os parentes mais próximos, e esta tarefa não é nada fácil.
Os jovens de hoje não têm nenhuma obrigação de prestar obediência ao seus pais porque um estatuto idiota deu a eles a liberdade de viverem do jeito que quiserem. As relações familiares foram e continuam sendo destruídas por políticos que só pensam em dinheiro e poder quando criam leis para satisfazer apenas as classes dominantes.
Nossas casas são constantemente invadidas por imagens, falas, e comportamentos que são uma afronta aos bons costumes, e quando não aceitamos ou fazemos alguma crítica somos taxados de preconceituosos. A todo momento as famílias são bombardeadas por uma mídia facciosa que interfere na educação das crianças e dos jovens, e no comportamento dos adultos incutindo em todos um desejo mórbido de um consumismo exagerado.
O ser ou não ser educado moralmente e eticamente deve ser aprendido com as atitudes e comportamentos de todos os membros da família, principalmente dos pais.
De uma maneira geral, as instituições de ensino preparam as pessoas para o mercado de trabalho. É bem verdade que muitos professores são exemplos vivos de cidadania e conseguem transmitir para seus alunos tudo que tem de positivo para que eles possam também se tornarem cidadãos exemplares nas comunidades onde vivem. É bem verdade também que os professores e professoras das escolas públicas fazem parte da classe de trabalhadores mais mal remunerada e humilhada pelos governantes. Muitos professores e professoras também são humilhados por pais e mães que querem que eles e elas desempenhem também o papel de mãe e de pai de filhos malcriados que não geraram.
As relações familiares estão se deteriorando a passos largos porque muitas pessoas estão vivendo no espaço cibernético. Estamos vendo crianças, jovens, adultos e idosos sendo escravos de uma geringonça eletrônica que afasta as pessoas e destrói os relacionamentos com a falsa ilusão de que aproxima. As amizades que antes uniam as pessoas como se fossem irmãos e irmãs, agora faz com que cada um se isole em uma prisão cibernética e esqueçam os momentos de risos e de alegria que realmente aproximava as pessoas.
O que esses amantes da tecnologia podem nos dizer?
O que esperar de um futuro movido a chips e placas eletrônicas?
Com certeza dirão que as pessoas são e continuarão sendo mais felizes.
Será? 


Um comentário:

  1. Há pouquíssimos anos atrás as reclamações de que a televisão, principalmente, substituía nossos diálogos, infiltrava sem pedir licença comportamentos, pensamentos, análises e etc culturais, sociais, políticos, religiosos, filosóficos entre nós.
    A TV usava e abusava apresentando quase sempre o modernismo contrapondo o conservadorismo. Às vezes ficávamos extasiados, perplexos, irritados, encantados, envergonhados e até mesmo desconjurados. Eram sentimentos que hoje também apresentamos em relação ao avanço tecnológico e a presença, sobretudo, das redes sociais que aceleradamente vai sufocando a poderosa/moribunda e ao mesmo tempo amada/incômoda TV. O poder da TV dá lugar à Internet.
    Algo nos chama logo à nossa atenção: se a TV incomodava e gerava tantas mudanças de comportamento em todos os aspectos ficando parada em um único espaço (sala, quarto, lanchonete e etc), imagina as redes sociais que em nossas mãos, bolsas e bolsos nos acompanham desde uma cerimônia religiosa, áreas de lazer, bares, cinemas, mesas de lanches e refeições em residências e restaurantes, escolas e chegando até a nos acompanhar enquanto tomamos banho ou fazemos o 1ou o 2. Imagina, hoje nem nos incomoda tanto um assassinato, acidente automobilístico e etc, afogamento, incêndios criminosos, estupros, espancamentos e etc, o interessante é filmar e fotografar e, em seguida, postar na redes sociais e depois pensamos se vale ou não intervir. Se antes as novelas na TV eram as vilãs nas mudanças radicais em nossa sociedade e não se conseguia controlar o acesso à mesma, imagina hoje em relação à rapidez e diversificação de meios trazidos pelas redes sociais para que a sociedade seja influenciada segundo após segundo.
    Hoje o controle sobre essas influências, sejam elas positivas ou negativas, foge-nos na mesma rapidez.
    Geraldo, você nos traz importantes reflexões.
    Só acontecerá mudanças favoráveis com o uso racional, comprometedor com o bem estar comum, ou seja, com a VIDA, quando pais, educadores, autoridades civis, políticas e religiosas, entidades representativas e etc, sentarem juntos e num raciocínio lógico e respeitoso, onde todos e todas, incluindo o meio em que se encontram, ou seja, a terra como Casa Comum sejam contemplados.
    Se hoje, num relâmpago, as redes sociais nos preocupam bem mais que a TV à pouco tempo nos preocupava, imagina um outro relâmpago e acordarmos com as redes sociais sendo substituídas por meios bem mais abrangentes e rápidos? Impossível? Nunca.
    Causa-nos arrepios, mas o caminho ainda é uma EDUCAÇÃO integral conforme nos propõe a CNBB através da Campanha da Fraternidade de 2022, baseada no Pacto Educativo Global apresentado pelo queridíssimo Papa Francisco.
    Abraços, amigo!
    Longa vida à você Geraldo e à sua família e também aos seus belos e necessários TEXTOS.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade