29 abril, 2021

TENHO VERGONHA DE SER BRASILEIRO

 


Este texto foi escrito e publicado em 2008, mas parece que escrevi hoje. Com tristeza volto a publicar para ver se as pessoas percebam que precisamos lutar para varrer da política muitas famílias que nos exploram há muitos e muitos anos. 

 O jornal Estado de Minas estampou em sua primeira página uma das atitudes mais sacanas do atual governo. 

“INSS BARRA AUXILIO-DOENÇA”. “Para tentar reduzir o déficit de R$ 43 bilhões decidiu cortar o pagamento de muita gente apta a trabalhar. O INSS endureceu as regras de concessão do auxílio doença. Entre dezembro de 2006 e o mesmo mês de 2007, o total de benefícios foi reduzido de 1,46 milhões para 1,24 milhões (220 mil a menos). Mas, por exagerado rigor o instituto tem negado o afastamento de trabalhadores incapacitados, alguns gravemente doentes.
Vítima de câncer intestinal o bancário Alessandro Magno de 29 anos fez três cirurgias. Ficou livre da bolsa de colostomia, mas passou a precisar ir seguidamente ao banheiro. Mesmo assim na última perícia, o médico o mandou se reapresentar ao serviço de onde foi demitido e agora não consegue outro.
Da mesma forma o eletricista José Carlos, de 45 anos que sofreu dois enfartes, é diabético e hipertenso, tem arritmia cardíaca e toma 35 remédios todos os dias, teve o benefício cortado depois de receber por cinco anos. Ele pergunta: “Vou trabalhar onde e de quê”? 
Com quantos mil reais se aposenta um presidente da república? 
Com quantos mil reais se aposente um governador de estado?
Com quantos mil reais aposenta-se um prefeito?
Com quantos mil reais se aposenta um vereador em plena juventude com apenas o cumprimento de três mandatos, ou menos, sem nada produzir? 
Com quantos mil reais se aposenta um jovem deputado, ou senador, cuja única coisa que aprendeu e praticou foi a arte de mamar nas tetas do governo? 
Com quantos mil reais se aposenta um juiz ou um presidente dos tribunais de justiça?
Estes são apenas alguns exemplos de “trabalhadores” que nada produzem, que se aposentam ainda jovens, cujos salários são uma afronta aos milhares que recebem apenas uma esmola que denominam de salário mínimo.
Ler uma notícia como essa é como levar uma punhalada nas costas. 
Ainda mais em pleno mês quando vários prefeitos ladrões foram presos pela polícia federal, e soltos pela justiça que é cega em se tratando de crimes cometidos por pessoas ricas e por políticos influentes. 
Quantos milhões são roubados todos os dias dos cofres do governo, e da dignidade de um povo que se contenta com pão e circo? 
Por que a maioria do dinheiro roubado é da Previdência Social?  Será porque é mais fácil roubar o que é do trabalhador? 
Será que não está na hora dos sindicatos convocarem uma greve geral contra o roubo do dinheiro da aposentadoria?
Será que não está na hora dos juízes tomarem vergonha na cara, e realmente deixar na cadeia os ladrões de verdade? 
Acho que a justiça poderia mandar a polícia sair dos morros os e das periferias, deixando a droga ser vendida livremente, e coloca-la dentro dos gabinetes da política para prender os verdadeiros criminosos. 
Porque a verdadeira droga está nas gavetas dos gabinetes, e nas cabeças dos donos do poder. 
Precisamos ficar indignados. 
Eu queria saber se o médico, que se presta a dar um laudo para que as duas pessoas como acima citadas voltem ao trabalho, tem caráter bastante para exercer a profissão cujo juramento diz que o mesmo tem obrigação defender a vida. 
Para que serviu o juramento? 
Para que serviu o diploma? 
Para se tornar um brinquedo na mão dos burocratas? 
Porque não uma desobediência civil? 
Será que é medo de perder o cargo, e por isso é necessário, fazer e assinar tudo que os carrascos dos pobres determinam?
Isso não é atitude de alguém que se pode chamar de humano. 
É por isso que muitas vezes tenho vergonha de ser gente.
Este texto foi publicado por mim em 2007 no site Usina de Letras. Nada mudou.
Agora, a cada ano que passa, não sei de onde vem esta bestialidade, mas tentam nos convencer que nossa expectativa de vida aumentou. Pode até ser verdade para os ricos, e principalmente, para os ladrões donos de mandatos que são tratados nos melhores hospitais privados, às custas de quem está condenado a morrer à míngua em um hospital público, isso é, se conseguir ser atendido.  
Hoje estou com muito mais vergonha de ser brasileiro. Quando vejo uma crise política e econômica, causada única e exclusivamente por ladrões de mandato.  
Dá vontade de rasgar o título de eleitor.
Atualizando em 29/04/2021 
Continuo tendo vergonha, ainda com mais ênfase nesses últimos dois anos em que o nosso país está sendo desgovernado por um senhor que chamam de presidente, mas que não tem nenhuma condição moral e intelectual para administrar este país que antes era respeitado no mundo inteiro, e que hoje é um grande cemitério onde estão enterrados 400.000 brasileiros vítimas da ignorância de um presidente, e pela falta de compromisso com a moralidade dos deputados e senadores que só pensam em riqueza e poder.
E para piorar, ter um senador como Renan Calheiros fazendo parte da comissão que estuda a cassação do mandato do presidente assassino, é uma afronta a todas as pessoas honestas deste país. Que moral ele tem para executar essa missão? Se em dezembro de 2007 ele renunciou ao cargo de presidente do senado para não ter seu mandato cassado por desvio de dinheiro da Petrobrás.


Um comentário:

  1. Oi, eu, de novo, Geraldo!

    Só aos fins de semana tenho mais tempo para o blogue, pke durante a semana tenho de dar aulas das 8h às 18h.

    Devido à pandemia, desde há um ano não tenho empregada doméstica e tenho, logicamente, que fazer toda a lida da casa. Enfim, vou fazendo.

    Seu post é muito lúcido e infelizmente sempre atual. Os corruptos continuam por aí e esquecem o povo pobre.
    O Presidente é o chefe deles todos, mais Prefeitos, Senadores etc. É tudo roubando à descarada.
    É natural k sinta alguma vergonha em ser brasileiro, mas esse é seu país.

    Beijos e saúde para todos vocês.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade