22 de dez de 2015

NÃO QUERO OLIMPÍADA

ESTE É O CARTÃO POSTAL DO PAÍS DA COPA, DA OLIMPÍDA E DOS POLÍTICOS LADRÕES


Vejam o texto que escrevi quando o Brasil foi candicato a receber a Olimpíada de 2012, hoje, com a quantidade de políticos e empresários denunciados por corrupção e roubo, o país está em condições de realizar um evento como esse?


O jornal Estado de Minas de sábado, último dia 03/10/2010 trouxe o comentário do Ex-integrante do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), o advogado Alberto Muray que torceu contra o Brasil como sede da Olimpíada 20l2. 
E com razão. 
Também não concordo com esta aberração que vai custar R$ 29,5 bilhões, e o grande absurdo é que, só com na candidatura, foi consumido nada mais nada menos que 100 milhões, e que no país das falmacutaias nada nos garante a lisura destes gastos.
Segundo o advogado Alberto... 
Vejam o que aconteceu com o PAN, também realizado no Rio de Janeiro. 
A festa prometeu mundos e fundos como herança para uma geração apaixonada pelo esporte, mas só deixou contas a pagar. O orçamento previsto de R$ 409 milhões foi muito além e alcançou a fortuna de R$ 3,8 bilhões. Um superfaturamento de mais de 900%. Segundo o advogado, um dos apoiadores da vinda da Olimpíada, o secretário nacional de esporte Ricardo Layser Gonçalves foi um dos envolvidos no escândalo. O Tribunal de Contas da União (TCU) obrigou Layser a devolver R$ 16,3 milhões, antes disto, também foi condenado a devolver R$ 2, 1 milhões relativos ao superfaturamento da Vila Pan-Americana.
E o povo ainda quer olimpíada em 2016. 
E o povo sem compromisso que vota a troco de qualquer coisa vai para as ruas comemorar. 
Não sei o quê. 
Sei apenas que a única participação dos pobres nestes eventos é como voluntários idiotas, onde trabalharão de graça para uma elite, que engordam suas contas bancarias com as falcatruas. 
Trabalhador de verdade não tem tempo para ser voluntário. 
Trabalhador assalariado e serio não tem condição financeira, e nem coragem de assistir jogos que servem apenas para tirar a atenção do povo, enquanto os políticos fazem farra votando leis absurdas. 
Neste país onde os políticos e empresários, com raríssimas exceções, são corruptos e corruptores, para onde vai grande parte dos 29 bilhões? 
Com este dinheiro quantos hospitais daria para construir? 
Quantas escolas? 
E o nosso Sistema de Saúde está sucateado e a Educação agoniza o CTI da ignorância. 
O nosso povo precisa parar de gostar de pão e circo, e exigir algo concreto que possa ser usado em benefício de todos. 
Quem foi para as ruas comemorar, parou para pensar aonde vai arranjar dinheiro para pagar entrada nos jogos da Olimpíada? 
Fui literalmente contra a Copa do Mundo. Clique e leia o texto:
NÃO QUERO HEXA, QUERO JUSTIÇA.
Sou literalmente contra a realização desta Olimpíada. 
Enquanto não ocorrer uma revolução completa no comportamento ético e moral do nosso povo, e principalmente dos políticos, nosso país não tem a mínima condição de sediar eventos desta magnitude. 
Volto a repetir 
Se estes eventos trouxessem algum retorno para o país-sede, porque apenas uma meia dúzia se candidatam para recebe-los? 
“Sim, o Rio é uma das cidades finalistas a receber os jogos olímpicos de 2016, embora tenha chegado com a nota mais baixa de classificação (6.4). No entanto, a decisão ainda será tomada somente no ano que vem, e quem sabe até lá o Comitê Olímpico Internacional pode aprovar a Cidade Maravilhosa como sede das Olimpíadas (Extraído do Blog do Natan”. 
Então porque o Brasil foi escolhido? 
Existe algo de podre no ar.
O custo da Olimpíada no próximo ano chaga a 38 bilhões de reais.(38.000.000.000) 


Vejam o Editorial da FOLHA DE SÃO PAULO - Jornalista Màrio Magalhães em 2007
EDITORIAL
Extorsão olímpica
NA PÁTRIA de chuteiras, sediar a Copa do Mundo ou os Jogos Olímpicos é motivo de glória. À espera de um evento desse porte, o Brasil exercita-se nos Jogos Pan-Americanos. A justificativa para abrigar tais eventos costuma incluir, além dos brios nacionalistas, a noção de que revertem em investimentos duradouros para a cidade-sede e para o país.
Texto do repórter Mário Magalhães publicado na quarta-feira mostra que as coisas não são bem assim. Sucessivos estouros no orçamento do Pan, a realizar-se no Rio em julho, abalam a expectativa de que o cidadão será de algum modo recompensado.
Em 2003, a prefeitura anunciava a construção do estádio olímpico a ser usado na competição. Ele custaria R$ 60 milhões e ficaria pronto em 2004. Estamos em 2007 e ele segue em obras. Já consumiu R$ 350 milhões.
No âmbito estadual, a reforma do Maracanã, orçada em 2005 em R$ 71 milhões, já custou R$ 232 milhões. É dinheiro bastante para erguer estádios novos e moderníssimos. O de Leipzig, usado na Copa da Alemanha de 2006, saiu por R$ 244 milhões. O de Seogwipo (Coréia do Sul, 2002) ficou em R$ 203 milhões.
Em 2002, quando da candidatura do Rio, o Comitê Olímpico Brasileiro estimava o total de gastos em US$ 178 milhões (R$ 550 milhões à época), a maior parte bancados pela prefeitura. Cerca de 20% dos recursos viriam da iniciativa privada. Hoje é difícil precisar quanto o poder público -município, Estado e União- terá despendido ao final do evento. Os organizadores falam em R$ 3 bilhões: a metade vinda do governo federal (R$ 1,5 bilhão) e praticamente nada de empresas privadas.
Tais valores talvez se justificassem se, no cômputo geral, resultassem em ganhos consideráveis para a cidade. Não parece ser o caso. R$ 3 bilhões por um estádio, uma vila olímpica e mais algumas obras de menor impacto é um preço extorsivo pelo qual todos os brasileiros estão pagando.
A experiência do Rio recomenda às autoridades pensar várias vezes antes de seguir com a candidatura do Brasil para a Copa de 2014, cujas dimensões fariam a gastança com o Pan 2007 parecer um jogo de amadores.









Um comentário:

  1. Olá, Geraldo!

    INCRÍVEL!

    Os seus textos são bem claros e nada mudou. Desbaratar dinheiro com eventos deste porte, quando há gente a catar lixo?

    BOAS FESTAS, COM SAÚDE, INTEGRIDADE, PAZ E SEGURANÇA E QUE 2016 SEJA UM ANO DIFERENTE PARA MELHOR.

    Abraços.

    ResponderExcluir