4 de mai de 2015

ESSES DOIS ENVERGONHAM O PAÍS E O SEU POVO

QUANDO SOMOS CONIVENTES COM OS LADRÕES, INDIRETAMENTE FAZEMOS PARTE DA QUADRILHA.

Eu escrevi um texto com o título: O BRASIL É UM PAÍS SACANA, vejam o tamanho da sacanagem. Um país sério consegue sair de uma crise, sendo comandado por pessoas desta laia?
Estes dois "cidadãos brasileiros" estão levando o nosso país para o mais fundo dos abismos, junto com a corja do PSDB e seus aliados (com raríssimas exceções) estão fazendo o jogo sujo da politicagem, pensando apenas nos seus bolsos, estes canalhas nunca pensaram no bem estar do povo, querem apenas recuperar o poder.
PRECISAMOS PROTESTAR CONTRA O SALÁRIO E A QUANTIDADE DE VEREADORES, DEPUTADOS E SENADORES. A causa de tudo de ruim que acontece no país vem destes três segmentos, são eles que fabricam e aprovam leis que atrapalham a vida do povo e as que protegem as quadrilhas e os ladrões de gravata de irem para a cadeia.

Vejam um pouco do que busquei na internet que nos mostra o caráter destas duas figuras.
Ueslei Marcelino / Reuters www.buzzfeed.com
 1. Eduardo Cunha saiu da Companhia Estadual de Habitação do Rio por acusações de fraude em licitações.
 Ele foi acusado de fraudar licitações para favorecer a construtora de um colega de partido durante o governo de Anthony Garotinho e saiu apenas alguns meses após assumir o comando da Companhia.
Curiosidade: na ocasião, a demissão de Cunha foi noticiada pela própria esposa, Claudia Cruz, durante o RJ/TV, da Globo, no ano de 2000.
2. O advogado do deputado usou documentos falsos para tentar livrá-lo da acusação de fraude nas licitações.
 Foto: Luis Macedo / Agência Câmara
ESTE É MAIS UM INTEGRANTE DA QUADRILHA, O POVO QUE SE FODA.


Reprodução/ pt.wikipedia.org
Os documentos falsos foram utilizados para arquivar uma investigação contra Eduardo Cunha no Tribunal de Contas do Rio, em 2002. A fraude foi atestada por laudo.
O Ministério Público Federal percebeu um conluio entre o subprocurador de Justiça Elio Fischberg, Cunha e o advogado Jaime Cukier. Os três viraram réus na Justiça. Apenas Fischberg foi condenado.

3. O deputado foi citado nas investigações da operação Lava Jato e terá um inquérito aberto em seu nome.

Sergio Moraes / Reuters
Em depoimento à Polícia Federal sobre o esquema de desvios da Petrobras, o policial afastado Jayme de Oliveira Filho, conhecido como Careca, disse que entregou malas de dinheiro em uma casa na Barra da Tijuca que seria de Eduardo Cunha. Careca era responsável por distribuir recursos a mando do doleiro Youssef, o líder do esquema de lavagem de dinheiro revelado pela Operação Lava Jato.

Renan Calheiros estaria liderando desvios da Petrobras para o PMDB do Senado

SAB, 07/03/2015 - 16:03ATUALIZADO EM 07/03/2015 - 16:12

Mais de 61% do montante total de “doações” a Renan Calheiros eram de empresas envolvidas nos desvios da Petrobras
Ueslei Marcelino / Reuters www.buzzfeed.com

1. Eduardo Cunha saiu da Companhia Estadual de Habitação do Rio por acusações de fraude em licitações.
 Ele foi acusado de fraudar licitações para favorecer a construtora de um colega de partido durante o governo de Anthony Garotinho e saiu apenas alguns meses após assumir o comando da Companhia.
Curiosidade: na ocasião, a demissão de Cunha foi noticiada pela própria esposa, Claudia Cruz, durante o RJ/TV, da Globo, no ano de 2000.
2. O advogado do deputado usou documentos falsos para tentar livrá-lo da acusação de fraude nas licitações.

Reprodução/ pt.wikipedia.org
Os documentos falsos foram utilizados para arquivar uma investigação contra Eduardo Cunha no Tribunal de Contas do Rio, em 2002. A fraude foi atestada por laudo.
O Ministério Público Federal percebeu um conluio entre o subprocurador de Justiça Elio Fischberg, Cunha e o advogado Jaime Cukier. Os três viraram réus na Justiça. Apenas Fischberg foi condenado.

3. O deputado foi citado nas investigações da operação Lava Jato e terá um inquérito aberto em seu nome. 



Sergio Moraes / Reuters
Em depoimento à Polícia Federal sobre o esquema de desvios da Petrobras, o policial afastado Jayme de Oliveira Filho, conhecido como Careca, disse que entregou malas de dinheiro em uma casa na Barra da Tijuca que seria de Eduardo Cunha. Careca era responsável por distribuir recursos a mando do doleiro Youssef, o líder do esquema de lavagem de dinheiro revelado pela Operação Lava Jato.

Renan Calheiros estaria liderando desvios da Petrobras para o PMDB do Senado

SAB, 07/03/2015 - 16:03
ATUALIZADO EM 07/03/2015 - 16:12
Mais de 61% do montante total de “doações” a Renan Calheiros eram de empresas envolvidas nos desvios da Petrobras
 Jornal GGN - Em troca de manter Paulo Roberto Costa na diretoria de Abastecimento da Petrobras, o PMDB de Renan Calheiros e Eduardo Cunha teria arrecadado uma parcela de propina nos contratos de empreiteiras com a Petrobras, da área que era, até então, somente comandada pelo PP. Além dos depoimentos, o MPF constatou que do montante total de “doações” destinadas ao presidente do Senado, mais de 61% eram de empresas envolvidas diretamente no esquema de corrupção da Petrobras.
No esquema envolvendo o Senado, a principal voz seria de Renan Calheiros, respaldado pelo deputado federal Aníbal Gomes.
O ex-diretor Paulo Roberto Costa contou que Aníbal “seria uma espécie de interlocutor de Renan” e que algumas reuniões para viabilizar as licitações de empreiteiras com a estatal, sob a condição de arremeter de 1% a 3% do valor total dos contratos aos partidos envolvidos (neste caso, o PMDB e o PP), ocorriam na casa de Renan Calheiros. Costa também disse que sabia que uma parcela da propina nos contratos da Transpetro eram destinadas ao senador.
 Foto: Ueslei Marcelino / Reuters
ESTE SACANA RENUNCIOU PARA NÃO SER CASSADO, FOI REELEITO E CONTINUA O MESMO PILANTRA

Jornal GGN - Em troca de manter Paulo Roberto Costa na diretoria de Abastecimento da Petrobras, o PMDB de Renan Calheiros e Eduardo Cunha teria arrecadado uma parcela de propina nos contratos de empreiteiras com a Petrobras, da área que era, até então, somente comandada pelo PP. Além dos depoimentos, o MPF constatou que do montante total de “doações” destinadas ao presidente do Senado, mais de 61% eram de empresas envolvidas diretamente no esquema de corrupção da Petrobras. No esquema envolvendo o Senado, a principal voz seria de Renan Calheiros, respaldado pelo deputado federal Aníbal Gomes.
O ex-diretor Paulo Roberto Costa contou que Aníbal “seria uma espécie de interlocutor de Renan” e que algumas reuniões para viabilizar as licitações de empreiteiras com a estatal, sob a condição de arremeter de 1% a 3% do valor total dos contratos aos partidos envolvidos (neste caso, o PMDB e o PP), ocorriam na casa de Renan Calheiros. Costa também disse que sabia que uma parcela da propina nos contratos da Transpetro eram destinadas ao senador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário