22 de ago de 2013

AMAI-VOS UNS AOS OUTROS ASSIM COMO EU VOS AMEI


O MILAGRE É FRUTO DA FÉ DE CADA UM.


















São 04h00 da manhã, perdi o sono e ao ligar o aparelho de televisão, por falta de opção fico brincando com o controle  e de vez em quando paro em algum canal para ver e escutar verdadeiros absurdos.
E ouço.
Pregadores sem escrúpulos, de todas as religiões, em programas gravados, naturalmente, porque a esta hora todos estão dormindo em confortáveis quartos de moradias de luxo.
Estes “senhores de deus” fazem propagandas de curas como se o milagre fosse moeda de troca entre o Sagrado e o desgraçado.
Em todos os canais de aluguel para vender o que não tem, os falsos profetas tomam depoimentos de pessoas sem escrúpulos que agem como verdadeiros atores pobres de espírito.
Vendem de tudo.
Até bem pouco tempo um canal da minha religião vendia um crucifixo com água do rio Jordão.
Quer coisa mais absurda/
Outro dia um destes “iluminados” teve o descaramento de dizer que quando Deus faz o chamado estipula até a quantia: alguns são chamados para doarem o que a maioria dos adeptos não ganha em um mês de trabalho, ele tem o descaramento de começar pedindo R$ 1.000 e nunca menos de trinta.
É fácil perceber que tudo não passa de enganação.
Todos os depoimentos de fé são de pessoas que se já estiveram ou estão no fundo do poço e com suas vidas desgraçadas.
Ainda não ouvi nenhuma pessoa dizer: Sempre fui muito feliz e vim aqui compartilhar minha felicidade com os irmãos e com Deus.
Todos os depoimentos são de pessoas que só alcançaram o milagre depois de fazer sua contribuição para o engrandecimento da “obra” querendo levar as pessoas a acreditarem que só ali são realizados os milagres.
E expulsam demônios.
Como se em todos estes templos o demônio estivesse de plantão esperando para ser expulso.
Primeiro fazem pregações para enraizar o demônio, depois se oferecem como exorcistas para tirá-los de alguém depois que fez a sua oferta.
Nunca retiram antes.
É preciso contribuir primeiro.
Não sou fanático pela Bíblia.
Mas nela está muito claro que somente a caridade leva à salvação.
Um jovem rico chega para Jesus e pergunta: Mestre o que faço para ser salvo?
E ouve a resposta: Vá vende tudo que tem distribua com os pobres e siga-me.
Nada mais.
Cristo não falou, dê tantas moedas de ouro e enriqueça os aproveitadores para ser salvo.
Contribuir com a obra do sagrado é salutar e necessário, mas não como moeda de troca.
Quando curou os leprosos Jesus pediu que não contassem a ninguém.
O dizimo que se deve pagar não é nenhuma porcentagem do que se ganha, nem tão pouco do que sobra, é preciso primeiro doar aquilo que tem mais de sagrado e que recebeu de graça.
A vida.
Doar um pouco de si mesmo.
Não como escravos de falsos profetas, mas como verdadeiros filhos de Deus livres para adorá-Lo de corpo e alma e coração. 
Dar sua parte na construção do reino praticando e a justiça e a caridade e o perdão.
Tudo muito simples.
Sem gritos.
Gritando no silencio.
Sem espetáculos grandiosos como se o Criador tivesse mandado um novo Noé com uma nova arca para salvar apenas uma meia dúzia de atores e de palhaços que dão espetáculos apenas para desgraçados, endemoniados e sofredores.
E chego à conclusão que é fácil ser profeta no mundo de hoje.
Milhões de pessoas estão perdidas à procura de um milagre instantâneo.
Gostaria apenas que as pessoas fizessem o simples.
“Amai-vos uns aos outros assim como eu vos amei”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário