5 de jul de 2013

NÃO QUERO ESMOLA


 
É PRECISO NÃO DAR ESMOLA PARA RICO

Ontem tive o privilegio de ser procurado por uma pessoa que dizia estar precisando de ajuda, Como sempre faço, pedi um endereço para visitá-lo em seu barraco e depois de muito titubear disse que não sabia onde morava, que havia chegado há pouco na cidade e que estava morando com uma mulher que tinha uma filha. Queria por todas as maneiras que eu lhe desse uma cesta básica, como estava irredutível ele disse que iria em casa e retornaria com o endereço, que pelo meu entendimento ficava do outro lado da cidade.
É sempre assim, quando alguém quer arrancar alguma coisa da gente sempre diz que mora em um lugar onde acha que a gente não conhece ou que não temos coragem de ir.
Isto sem contar as inúmeras viagens e mortes inventadas para conseguir sensibilizar o possível trouxa sensível.

Depois de alguns minutos volta ele com um pedaço de papel na mão com um nome de rua sem nenhuma referência e sem dar muito papo vai embora dizendo que iria me esperar.
É claro que eu não poderia ir, não sabia como chegar, mas Deus em sua infinita bondade tinha me reservado um compromisso, uma fraternidade da Ordem Terceira de São Francisco estava sendo criada e seus membros faziam o juramento eterno de pertença. Participei da celebração e em sintonia com Deus esqueci um pouco os problemas que me afligem, isto é, durante a celebração a emoção dos irmãos franciscanos trazia o mundo para dentro da igreja.

Ao chegar em casa lá estava o homem novamente me esperando e reclamando porque eu não fui encontrá-lo, na conversa percebi claramente que o endereço não existia, que era apenas um pretexto para voltar achando que iria me convencer. Para ficar livre resolvi “ajudá-lo” com alguma coisa que não pudesse ser transformada em dinheiro, ofereci a ele metade dos ingredientes de uma cesta básica, não aceitou e disse que queria uma cesta completa e que não estava pedindo esmola.
Certamente não estava.
Ele queria uma cesta completa para trocá-la por dinheiro e normalmente pela metade do que vale.
Os que verdadeiramente precisam tem vergonha de pedir.
Os que verdadeiramente precisam tem vergonha de expor sua pobreza.
É por isso que as pessoas que acreditam ser a caridade o melhor caminho para encurtar o difícil calvário até a morada eterna precisam ficar atentas, são cenas como estas que tornam as pessoas insensíveis; muitos pobres de verdade deixam de ser socorridos porque um lobo querendo levar vantagem finge-se de cordeiro.
É por isso que quando a pessoa dá esmola sem preocupar com a caridade muitas vezes não ajuda quem precisa, depois de ser enganada por um malandro acha que todos os pedintes são iguais.
Infelizmente uma grande parcela do nosso povo acostumou-se a viver de esmolas.
Os pobres mendigam qualquer coisa para amontoar em seus barracos.
Os que não são pobres mendigam o afago de um político para levar vantagem e ganhar status e poder exibir uma carteira de assessor de alguma coisa.
Enquanto a dignidade do ser humano for trocada por um cesta básica o Brasil será um país de miseráveis.
Enquanto a dignidade do ser humano for trocada por um afago de alguém mais rico ou de um político o Brasil será um país de miseráveis.
Enquanto a assistência social for exercida a troco de voto seremos um país de miseráveis.
Precisamos dar trabalho para quem realmente quer trabalhar, o nosso país iria se tornar um paraíso se todas as ações de ajuda fossem trocadas por um ou mais dias de trabalho. As escolas, creches, hospitais, praças e ruas, monumentos históricos poderiam ser reformados e cuidados pelos milhares de homens e mulheres que recebem vale isto, tíquete daquilo para ficarem em casa ou no boteco enchendo a cara de cachaça ou simplesmente olhando para o nada.

Esta troca, trabalho versus bens materiais precisa ser financiada, mas não coordenada pelos órgãos de governo, se isto acontecer a casa, o sitio e a fazenda dos políticos serão os primeiros lugares a usar esta mão de obra.
Esta tarefa precisa ser entregue a instituições sérias de ajuda social e humanitária que trabalham no anonimato e que se resolvessem fechar as portas fariam o país entrar em colapso.
Muitas igrejas sérias poderiam se unir e na contra mão da torre de Babel fazer este trabalho de inserção e de inclusão social

Sou um sonhador!
A caridade precisa continuar sendo praticada, ela é a tábua de salvação do mundo e sem ela as palavras se perdem no vazio.
Eu não quero esmola deveria ser repetido todo o dia por todos os pobres do mundo inteiro para que os governantes começassem a perceber que o pobre precisa mesmo é um Título de Cidadão.
NÃO DEIXE DE MATAR A FOME (NÃO SÓ DE PÃO) DE QUEM PEDE PELO AMOR DE DEUS.

 

Um comentário:

  1. Geraldo, duas coisas semelhantes ocorreram comigo também, com esse mesmo enredo: a primeira vez, eu estava tomando um chopp há muitos anos quando apareceu uma garota se oferecendo no bar para engraxar meus sapatos. Como lhe respondi que não desejava fazer o serviço, ela me confessou que se não levasse dinheiro para casa, apanharia. Se ofereceu até para fazer sexo comigo em troca de dinheiro. Pedi que entrasse em meu carro que eu a levaria até a casa dela, em um bairro distante. Fui. Ela pediu para ficar um pouco antes que ela caminharia à pé. Fiquei olhando e fui atrás. Quando entrou na residência, bati palmas e ela veio me atender. Perguntei pelos seus pais, a mãe estava no bar e o pai também, enquanto ela trabalhava e ou ia prostituir pelos bares. Isso me marcou muito. Na segunda vez, eu já casado e morando em uma casa, recebi uma mulher que pedia dinheiro: disse que não lhe daria dinheiro, mas comida sim e pedi que ela entrasse. Argumentou que estava com as filhas na esquina. Pedi que ela as chamasse também e daria comida para todas se fizessem a lavagem de minha cachorra. Elas se recusaram e saíram me xingando de miserável e insensível. Esses fatos me levaram a fazer o curso de Serviço Social para entender melhor o comportamento desses "necessitados" que pedem dinheiro, mas não querem trabalhar.
    Fantástica narrativa companheiro.Parabéns!

    ResponderExcluir