30 de jan de 2013

A VOZ DO SILÊNCIO



               ESCREVI SENTADO NESTA CADEIRA


É madrugada,
o barulho que chega das ruas trás estranhos sons,
parece que o ar vem trazendo vozes,
que querem e precisam ser ouvidas.
A vóz do silêncio!
que precisa ser escutado,
que foi sufocado pelo progresso.
O som da noite me mostra que os quintais são coisas do passado.
mesmo assim...
ao longe ainda ouço o canto de um galo,
que resiste bravamente,
Que me faz voltar no tempo,
quando ninguém tinha relógio,
quando rádio e televisão eram apenas sonhos.
O tempo parecia andar devagar
o dia tinha as mesmas vinte quatro horas de hoje,
mas ninguém se preocupava com ele e com elas,
Agora ele passa depressa demais e parece que o dia tornou-se muito curto,
as famílias só se encontram em velórios,
as crianças se tornam adultas cedo demais,
A correria gera abandono,
de filhos e de pais,

de irmãos e irmãs,
dos amigos que agora são meros conhecidos.
que não se encontram e nem caminham juntos,
que se falam através das “Redes Antissociais”,
E este não encontrar e caminhar,

geram pessoas nervosas e neuróticas,
enchendo asilos,
superlotando cadeias,
provocando um grande vazio de emoção e compaixão e ternura.
Sepultando amor, paz e tranquilidade,
mostrando claramente o vazio,
que a tecnologia provocou e escondeu nas máquinas que substituíram o SER HUMANO.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário