20 de jun de 2012

O BRASIL É UMA ZONA II

ESTE MARTELO BATE MAIS FORTE CONTRA O POBRE






















Há uns meses escrevi um texto com o título O BRASIL É UMA ZONA, gostaria de estar enganado, mas infelizmente não estou.  Porque a grande pergunta que ninguém quer responder é: Temos algum motivo para nos orgulhar?
Olhem e escutem os noticiários, no meu estado são assassinadas quinze pessoas todos os dias. Estes são os números oficiais, e os que não são registrados ou ainda não foram descobertos?
Outras centenas são assassinadas no transito por motoristas irresponsáveis e bêbados idiotas que nunca são punidos, principalmente se forem ricos ou poderosos.
Imaginem quantas pessoas morrem neste país, vitimas da brutalidade do ser que ainda se diz humano. Os noticiários internacionais mostram que na Síria foram mortas 25 pessoas no dia tal. Estamos ou não no meio de uma guerra?
Como entender tantas barbaridades, se quem deveria evitar que isto continue acontecendo finge não ver?
Como entender um ex-ministro da justiça se transformar em advogado de defesa de um dos maiores ladrões do país? Será que este cidadão não deveria pensar duas vezes antes de aceitar um bandido como cliente? Será que os honorários que está recebendo vão lhe fazer falta, ou sua exposição na mídia são mais importantes do que a justiça que não existe neste país?
Ou ele realmente acredita na inocência do seu cliente, o que seria ainda mais desastroso.
Como entender um deputado, ex-promotor de justiça entrando com pedido de habeas corpus para impedir sua caçassão? Será que este digníssimo cidadão pensou que seria mais útil para o país como senador do que como promotor?
É claro que não, pelo seu comportamento está claro que pensou única e exclusivamente em como seria mais fácil enriquecer defendendo seus interesses do que defender a justiça que não existe neste país
Como entender um senado abrindo CPI para investigar um dos maiores criminosos do país, quando não precisa ser nenhum doutor para entender que isto é caso de policia?
Porque a justiça e a lei nunca enxergam os ricos e poderosos como criminosos? Estes sim deveriam ser punidos com mais rigor, a grande maioria se esconde atrás de um diploma de doutor ou de um mandato qualquer , onde muitos deveriam entrar pela porta dos fundos porque só tiveram acessos a elas usando todo tipo de tramóia.
E a justiça é representada por uma mulher com os olhos vendados, trazendo uma espada e uma balança, vendada para não enxergar os crimes dos políticos e poderosos, uma espada para cortar em pedaços os sonhos de quem realmente acredita que este país ainda pode voltar a ser a “pátria mãe gentil”, a balança para pesar o dinheiro que é roubado dos cofres públicos porque é impossível contá-los.
Como entender um cidadão dormindo na cadeia e saindo de manhã todo engravatado para ocupar uma cadeira de vereador, como acontece em uma cidade do Mato Grosso?
Há poucos meses um cidadão francês perdeu o cargo de presidente o FMI e a chance de ser eleito presidente da França assim que vazou a noticia que ele deu uma cantada em uma camareira do hotel.
Como entender um excelente sistema de saúde pública como o SUS, igualando os direitos dos milionários com os dos catadores de papel ou de um morador de rua?
Não é necessário ter nenhum conhecimento para saber que os ricos sempre terão preferência nos atendimentos.
Dói ver um milionário sendo atendido em casa enquanto pobres estão morrendo de frio (estamos no inverno) debaixo das marquises dividindo o espaço com os cães sarnentos, também sem donos e sem pátria.
Não temos uma lei que atinge a todos com a mesma força.
Não temos uma justiça que contemple todos os cidadãos, julgando a todos pelos seus crimes ou delitos, independente da raça, cor ou religião e principalmente pelos cifrões nos cofres dos bancos ou nos paraísos fiscais.
Pasmem!
Enquanto milhares de pessoas frequentam postos de saúde sucateados e hospitais onde a vida nada significa, muitas famílias abastadas têm atendimento VIP no serviço público de saúde.
Vejam o relato de uma médica que atende o (PID) Programa de Internação Domiciliar: - Fui atender uma senhora que mora em uma casa de dois pavimentos, com piano de cauda na sala de estar e três carros na garagem, ela era atendida por um técnico de enfermagem de um plano de saúde, conversando com os familiares eles me apresentaram uma lista de material e exigiram que fosse fornecida pela Unidade de Saúde, simplesmente porque era um direito amparado pelas diretrizes do SUS,
Por este país afora quantas vezes isto acontece?
O que se gasta com quem pode pagar não poderia ser usado para comprar mais medicamentos e materiais médicos hospitalares, e assim amenizar as faltas que tanto atormentam os que necessitam?
Como entender tanto descaramento que tiveram os políticos ao aumentarem o número de vereadores em todo o país, simplesmente para ter mais puxa-sacos nas eleições majoritárias?
E pergunto...
Para que servem os tribunais eleitorais que são obrigados a acatar leis idiotas, votadas por legisladores sem escrúpulos, que legislam em causa própria?
Ao aumentar o número de vereadores, os deputados e senadores deram uma clara demonstração que sabem controlar o dinheiro fácil da política.
Jogando-os no ralo!
Para que serve os tribunais de justiça onde a injustiça impera ao não coibir tamanha insensatez?
Os políticos da oposição criticam o governo por não controlar os gastos públicos.
Infelizmente este é o país aonde só na política as mudanças nunca acontecem, não importa quem é o governante da vez, os mandatários nomeiam uma turma de pessoas incompetentes que constantemente andam dando tiros nos pés quando tomam decisões sem nenhum conhecimento daquilo que está fazendo, ou simplesmente para se garantir no poder, para derrubar aquele que o está incomodando.
E quem paga a conta é o povo.
Ah este país!
Tem tudo para ser de primeiro mundo!
Mas como?
Se os políticos e governantes (com raríssimas exceções) não conseguem resistir ao canto da sereia do poder e do dinheiro fácil, vindo das licitações fraudulentas e dos conchavos costurados nos gabinetes acarpetados.
Mas como?
Se um deputado ou senador pode se licenciar para candidatar a outro cargo sabendo que se perder a sua boquinha esta assegurada? Porque quem abandona um cargo para se candidatar a outro não deixa o seu lugar definitivamente para o suplente?
Isto seria interessante porque o suplente passaria a ter alguma utilidade a não ser receber sem trabalhar (com raríssimas exceções) e o político pensaria duas vezes antes de se aventurar em uma nova eleição.
Mas como?
Se uma grande parcela dos eleitores se vendem para qualquer sacana como se voto fosse mercadoria de final de feira?
Mas como?
Se os servidores públicos (com belas e raríssimas exceções) nada produzem e não podem ser penalizados por estarem protegidos pela estabilidade?
Eu sei que muitos vão ficar indignados com isto que escrevi acima, citei as exceções exatamente para proteger os que são comprometidos com seu belo trabalho de servidor, que são injustiçados ao serem comparados com a escória, toda vez que alguém é mal atendido dentro de uma instituição pública.
Não vejo futuro para este país enquanto não houver uma revolução pacifica e todos comparecerem às Urnas e votarem em branco ou anularem os seus votos para que os políticos do nosso país deixem de ser um:
Bando de politiqueiros
Rindo

Abertamente
Sobre a desgraça e a
Ignorância do
e
Leitor.
E como sempre...
O Brasil continua SENDO UMA ZONA.
Olhem como este texto vai estar sempre atual e desatualizado ao mesmo tempo, hoje, 19 de junho de 2012, ao abrir o jornal dei de cara com o Lula abraçado com o Mafuf.
Depois da esdrúxula aliança com os sarneys eu achava que já tinha visto de tudo!



                                 

                                                         



                           



2 comentários:

  1. Infelizmente, temos que escolher, nas urnas, os menos ruins, já que nos deparamos, em todas as eleições, com os mesmos rostos.

    Obrigada pela visita! Estará sempre em casa no meu espaço. Abraços

    ResponderExcluir
  2. rodrigo montagner c rodrigues7 de fevereiro de 2013 19:13

    Esperança e Justiça!

    ResponderExcluir