30 de abr de 2012

OLHAR COM DESEJO

SEM VOCÊ, A CAMA É SEMPRE VAZIA













Quando me viro na cama
E não encontro seu corpo para me encostar
Sinto que algo está errado
Sem ter braços e pernas, para entrelaçar

Quando a noite está fria
E não sinto o aconchego do seu calor
Sinto que alguém está faltando
Debaixo do cobertor

Não sei dormir sem você
Na verdade, não quero nem dormir
Quero enroscar-me no seu corpo
Para saciar seus desejos, só quero te servir

Ser seu escravo
De corpo e alma e coração
Me entregar por inteiro
Na magia da paixão

Não importa quantos anos se passarem
Importante é o quanto nos entregaremos
Na alegria e no prazer, ao sentir um dentro do outro
Extasiados na sensação gostosa de viver

Viver intensamente cada momento
Cada afago e cada gesto de ternura
Para quando, novamente nos olharmos com desejo
Nos entregarmos mais uma vez, numa apaixonante loucura

Um comentário:

  1. Bom dia estimado Geraldo,

    A prosa, mas sobretudo a poesia exprime, na maior parte dos casos, nossos desejos.
    O seu "eu lírico" é este e é aquilo que deseja, na realidade.
    Todo o poema transborda de sensações, emoções e vontades.
    Você, na poesia, é escravo dela. Bonito de ver, de escrever e de sentir.
    E depois de satisfeito o amor, já vosso olhar está pedindo outro enlace.
    Na poesia podemos ser tudo: eu sou "caçadora", você é "escravo". Ironia do destino poético: você não consegue dormir sem sentir o corpo dela, eu não consigo dormir com alguém, preciso do meu espaço.

    Boa semana.
    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir