4 de out de 2011

HOLOCAUSTO SILENCIOSO II



E o terrorismo nos países sem guerra?
A disputa das gangues, com e sem gravata.
A briga pelo controle do narcotráfico.
Roubo de bancos.                                                 
Sequestros.
Estupros
Exploração sexual.
Trabalho escravo e infantil                                          
Preconceito de raça, religião e sexo.
Quantas pessoas morrem a cada segundo, vítimas destas atrocidades? 
Estes crimes estão presentes na nossa vida, queiramos ou não, a mídia falada, escrita e televisiva esfrega na nossa cara, o genocídio de milhares de pessoas.
É o terrorismo silencioso.
E o terrorista de rua, e de gabinete.
Com cara e postura de santo!
Que de cima do seu orgulho, ou da inércia da subserviência, vai ceifando vidas no mais profundo silêncio e inatingível anonimato. 
Amparado pela justiça.
Que é cega e lenta se fazendo de surda e muda diante do crime cometidos pelos poderosos, e extremamente ágil quando tem que condenar um pobre. 
Ao deixar:
O serviço de saúde com seus prédios sucateados no país inteiro, com suas prateleiras vazias de medicamentos e material médico, torturando uma população sofredora que não sabe a quem recorrer, e não tem com quem reclamar. 
Não precisamos ir muito longe, é só olharmos ao nosso redor e tirar um tempinho para visitar os mais próximos da nossa casa.
Profissionais mal remunerados, como se pode ver pelo anúncio na página de emprego do maior jornal de Minas Gerais: Empresas e governo recrutando médicos com salário de R$ 1.500,00, com certeza, esse anúncio será respondido apenas por profissionais em começo de carreira, ou por aqueles que querem apenas um lugar para descansar. Com essa remuneração, esse profissional terá que clinicar em locais diferentes. Muitas vezes o deslocamento de um local para outro complica sua agenda não sobrando tempo para continuar seu aperfeiçoamento, e reciclar o conhecimento que a duras penas adquiriu até se formar.
Auxiliares, técnicos e enfermeiros, que deixaram de comer para custear seus estudos, hoje são profissionais de mentira, porque não tem emprego para todos que se formam, ou melhor, tem o trabalho, mas ninguém quer contratar, deixando o a tarefa destes profissionais ser exercida pelos acompanhantes.
Enquanto isso sobram contracheques de “funcionários que nunca trabalharam” e que ninguém se dá ao trabalho de buscar, isso em todas as esferas dos governos.
Como escrevi em outro texto, temos dois serviços de saúde: o de alta tecnologia para quem pode pagar, e o do improviso para o pobre que tem a petulância de adoecer.
Estamos formando excelentes profissionais de uma saúde robotizada e computadorizada que treinados em máquinas de última geração que nunca vão estar disponíveis para tratar a saúde do pobre que agoniza na porta de um hospital agonizante.
Hospitais regionais para atendimento da grande massa votante. que elege quem nunca sequer passou na porta. para assistir a agonia de quem não consegue ser atendido, estão Orçamentos públicos que coloca na mesma prioridade, a verba da compra de bens e de material médico hospitalar, e medicamentos, as obras de saneamento dizendo que ao sanear um córrego com esgoto a céu aberto estão investindo na saúde. Isso tem uma certa lógica, mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, como alguns gostam de dizer.
Obra civil é um investimento que precisa ser totalmente desvinculada da saúde, até a destinada para a construção dos prédios precisa ter dotação separada. Porque elas sempre serão prioridades por se tornarem visíveis aos olhos do eleitor.
Falta material.
Falta medicamento.
Sobra burocracia, e burrocracia.
Ignorância!
Neste texto não retrato uma cidade, faço uma radiografia do país.



Um comentário:

  1. Olá Geraldo,

    Seu texto é de quem está revoltado com as injustiças desse mundo.
    As há na saúde, no ensino, na justiça, etc.
    Não podemos e não queremos pactuar com elas, mas vivemos no sistema, de que elas fazem parte.
    Denunciar e apresentar alternativas é o caminho mais justo.
    Parabéns!

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir

Aqui você é muito bem vindo. Seu comentário ajuda na construção desse espaço de liberdade