12 de jul de 2011

O PORCO BARULHENTO


João e Pedro levantaram bem cedinho e correram para o galinheiro.
O galo Cocoricó já estava de prontidão em cima do mourão da cerca do galinheiro para acordar toda a bicharada e quem mais estivesse dormindo.
Entraram como se estivessem entrando em um grande salão de festas
Não era todo mundo que tinha a sorte de escutar uma galinha falando.
Foram para o fundo do galinheiro onde a galinha Brilhante, a faladeira, ainda cochilava em cima dos ovos que em pouco tempo seriam pintinhos.
Ao vê-los, ela ficou muito contente e perguntou?
-Vocês aprenderam com o galo Cocoricó?
Agora pulam da cama de madrugada para acordar as pessoas?
-Não! Responderam os meninos.
É que esta noite não conseguimos dormir de tanta curiosidade para ouvir uma de suas histórias. Você vai contar uma para a gente não vai? Se não estiver animada a gente volta à noite.
-Está bem! Respondeu a galinha. Deixa pelo menos eu saborear o meu café da manhã e saiu toda matreira e foi beliscar o milho que a D. Rebeca, avó dos meninos, acabara de jogar no terreiro.
Depois de encher o papo, voltou toda prosa e pôs se falar:
-Vou contar para vocês a história de um porquinho matreiro, seu nome era Rabicó, roncava e fuçava mais que os outros. Ele não era o mais gordo, mas como a vida não poupa ninguém, um dia resolveram fazer uma festa e, como ele tinha mais carne que toucinho, infelizmente, virou lingüiça.
Eu sei que todo porco ronca, mas o Rabicó não parava nem quando dormia.
A bicharada toda ficava incomodada com os roncos.
O cabrito Laurico pulava o tempo todo de um lado para outro porque não conseguia dormir.
O cavalo Alazão coitado tinha que trabalhar o dia inteiro e quase não agüentava mais de tanto ficar acordado. Teve que pular a cerca e ir dormir debaixo das mangueiras para conseguir trabalhar no dia seguinte.
A vaca Mimosa e todas as outras começaram a dar pouco leite porque não conseguiam relaxar nem à noite, e as que cuidavam dos bezerrinhos ficavam nervosas porque eles choramingavam o tempo todo.
Vocês sabiam que bichos também relaxam?
Vocês sabiam que bichos também choram?
O gato Veludo era o que menos se importava. A vida dele era ficar a noite toda correndo de um lado para outro atrás dos ratos, isto é quando tinha coragem, porque aqui tem cada ratão!
O cachorro Barão achava uma maravilha o trabalho de vigiar a fazenda, podia até se esconder para tirar um cochilo porque o ronco espantava todo mundo que se aproximava.
Como o galinheiro era ao lado do chiqueiro os nossos adolescentes ficavam incomodados, e não era para menos, ficavam até altas horas correndo atrás das franguinhas e quando se acomodavam no poleiro para dar uma cochilada...
Lá vinha o ronco que quase os derrubava.
O galo Cocoricó, o rei do galinheiro, este sim era o mais prejudicado, tinha que dormir cedo porque sua missão era acordar a fazenda, e quem disse que ele conseguia? Era uma dificuldade subir no galho mais alto da árvore ou mesmo no mourão da cerca para cantar. Com sono ou não, era sua obrigação soltar o canto que ecoava por toda a imensidão até que um outro respondia fazendo a mesma coisa na fazenda do vizinho.
Certo dia, os jovens do galinheiro quiseram dar um susto no porquinho roncador.
Vocês sabem como são os jovens, uma tarde quando o porquinho Rabicó tinha enchido bastante a pança e se retirado para dar a cochilada de todos os dias os meninos amarraram a boca do coitado que em pouco tempo começou a espernear.
Ele estava perdendo a respiração.
Foi um sufoco!
Apesar de ninguém estar agüentando os roncos, os meninos exageraram.
Foi uma brincadeira de muito mau gosto.
Todos correram para ajudar.
Quem conseguiu resolver foi o Catucho, um tatu que passava por ali e com seus dentes afiados roeu a corda que sufocava o campeão do ronco.
Livre da corda e podendo respirar em paz o porquinho Rabicó, fulo da vida começou a procurar quem tinha amarrado sua boca.
Perguntou aos bichos um por um, mas ninguém sabia ou não queria dizer quem ou quais os autores de tal façanha.
Ele queria saber por que tinham feito isto com ele.
Era amigo de todo mundo, calado e com a cabeça baixa não incomodava ninguém, a não ser quando dormia.
 A notícia espalhou para toda a bicharada da vizinhança e ninguém gostou da tal brincadeira mesmo sabendo que o Rabicó perturbava todo mundo.
Coitado do Rabicó, quase morreu sufocado!
A patota do galinheiro tratou de ficar bem quietinha, pois se descobrissem que tinha sido eles, certamente virariam comida de raposa.
A galinha Brilhante que não gostava de mentiras, chamou a frangaiada toda e apresentou para o porquinho Rabicó os engraçadinhos que amarraram sua boca.
Eles falaram que tinham feito isto por causa dos roncos que os incomodava.
Mas vocês queriam o quê, que um porco cantasse ou cacarejasse?
Eu sou porco e como vou ficar sem roncar, ora essa!
Claro que pode roncar, mas precisa ser o tempo todo e nesta altura?
O porquinho Rabicó reconheceu que roncava muito, mas como todo mundo que ronca não percebia o quanto incomodava. Prometeu prestar mais atenção e pedir aos outros porcos que o acordasse toda vez que estivesse perturbando; afinal já estava gordo demais.
E estava mesmo.
Foi por isto que virou lingüiça.

4 comentários:

  1. Bela arte amigo, num belo conto infantil.
    Boa construção
    E eu aqui,longe das Gerais com aquela saudade de uma boa linguiça de porco,rsrs.
    Um abração.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Geraldo,

    Li, com atenção o seu texto e é uma verdadeira delícia.
    As crianças devem adorar este tipo de histórias.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  3. Linda a estorinha!
    Nos da www.Milnovidadeshop.com.br achamos linda!
    Parabéns.Com certeza vou ajudar a divulgar.

    ResponderExcluir
  4. Olá Geraldo,

    Agradeci o seu comentário no meu blog, mas renovo, aqui o meu muito obrigada.
    Escreva mais. Fico à espera.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir