25 de nov de 2010

É TEMPO DE FÉRIAS


Mais um ano está indo embora 
E tudo foi como no outro 
E será exatamente igual 
No fim do ano que se aproxima 
O espetáculo não pode parar e o circo chamado Brasil sempre estará armado. 
As falmacutaias foram sufocadas pelas compras apressadas 
Os roubos são coisas do passado, é preciso estourar o limite docartão. 
Os políticos estão de férias. 
Merecidas... 
Presentes sem carinho 
Religiosidade aflorada, 
Oferenda aos orixás 
Aniversariante esquecido. 
A fé está de férias. 
E os dias engolem o ano, mostrando a verdade nua e crua do abandono, que queima ônibus e pessoas, que trabalham e pagam impostos e votam em um sacana, a troco de qualquer coisa 
Ou de coisa nenhuma 
Esfrega na cara do governo a falta de governo. 
Humilha a justiça 
Que humilha os pobres 
É tempo de férias. 
Da justiça 
Da lei 
Dos pastores de todos os credos. 
Com programas de televisão reprisando a vergonhosa venda de milagres. 
Que não acontecem nas ruas 
A cidade fica sem dono 
Ou será que o seu verdadeiro dono aparece? 
E não tira férias! 
(ESTE TEXTO FOI ESCRITO EM 2006)


Nenhum comentário:

Postar um comentário